Política

Vaza Jato: em conversa, Dellagnol demonstra preocupação com voto de desembargador

DELTAN DALLAGNOL TINHA RECEIO DE DESEMBARGADOR ABSOLVER O ENTÃO SUSPEITO E PERDER ACORDO DE DELAÇÃO. FOTO: FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL

O site The Intercept, em parceria com a revista Veja, divulgou mais diálogos envolvendo o procurador do MPF (Ministério Público Federal) Deltan Dallagnol nesta sexta-feira, 12. Dessa vez, as conversas mostram que o procurador teria agido para descobrir decisão de 2ª instância do desembargador João Pedro Gebran Neto, do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), em relação ao réu Adir Assad, um dos operadores de propinas da Petrobras.

Em setembro de 2015, Assad foi condenado pelo juiz Sergio Moro a 9 anos e 10 meses de prisão por lavagem de dinheiro, corrupção e formação de quadrilha, e recorreu da decisão. Assim, o caso foi para a 2ª instância. “O Gebran tá fazendo o voto e acha provas de autoria fracas em relação ao Assad”, escreveu Dellagnol em grupo do Telegram com outros procuradores 5 meses antes do novo julgamento.

Alguns meses depois, Dellagnol conversou sobre o mesmo tema com o procurador Carlos Augusto da Silva Cazarré, da força-tarefa da Procuradoria Regional da República da 4ª Região, que atua junto ao TRF4. “Cazarré, tem como sondar se absolverão Assad? Parece que o Gebran tava tendendo a absolver… Se for esse o caso, talvez seja melhor pedir pra agilizar o acordo ao máximo para garantir a manutenção da condenação”, enviou.

O “acordo” a que Dellagnol se refere é um acordo de delação premiada que a força-tarefa estava negociando com o condenado. Cazarré, por sua vez, respondeu: “Olha, quando falei com ele, há uns 2 meses não achei que fosse absolver… Acho difícil adiar. O processo está com ele desde fevereiro de 2016 e nos últimos dias negou pedidos de adiamento das defesas. Mas vou ver o que descubro amanhã”.

Em seguida, Dellagnol dá uma “pista” de como teria conversado com Gebran. “Falei com ele umas duas vezes, em encontros fortuitos, e ele mostrou preocupação em relação à prova de autoria sobre Assad… Nova modalidade de investigação: encontro fortuito de desembargador”, afirmou, ao que o procurador respondeu com uma risada.

O chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, então, sugeriu a Cazarré o que falar a Gebran: “Só não menciona que comentei, para evitar ruído… melhor perguntar se ele entende conveniente esperar em relação a Assad ou se sente seguro, dizendo que quer colocá-lo a par do andamento do acordo rs (risos)”.

Em 27 de junho de 2017, menos de um mês após esse diálogo, Gebran confirmou a condenação de Assad e seu voto foi seguido por outros 2 desembargadores da 8ª Turma do TRF-4.

Dellagnol tem negado autenticidade dos diálogos, mas não quis se manifestar sobre esse caso específico, segundo a Veja. O MPF tem questionado a veracidade e o contexto dos diálogos, afirmando que os procuradores são vítimas de 1 crime.

Já Gebran, por sua vez, afirmou: “Nunca externei opinião ou antecipei minha convicção sobre qualquer processo em julgamento”.

Com informações: Poder 360


Deixe um Comentário