CORONAVÍRUS

VACINAÇÃO: Enquanto MP quer reservar doses para presos, postos de saúde seguem vazios

POSTOS DE VACINAÇÃO VAZIOS. FOTO: DIVULGAÇÃO

O secretário de Saúde, George Antunes, continua fazendo estritamente o que o Ministério Público recomenda. Prova disso foi que os postos de saúde de Natal tiveram mais um dia vazios, mesmo com a redução da faixa etária para 59 anos para pessoas sem comorbidades.

O Ministério Público fez questão de manter um acordo com o secretário, permitindo que ele baixasse a idade, desde que faça a reposição das doses atualmente em estoque, que são destinadas aos grupos prioritários como os presidiários e moradores de rua.

A reposição terá que ser feita com as próximas remessas entregues pelo Ministério da Saúde.

O MP e a Defensoria Pública entraram com uma Ação Civil Pública que resultou em uma decisão do dia 1° de abril que impede a Prefeitura de incluir ou modificar a ordem de vacinação prevista no Plano Nacional de Operacionalização do Ministério da Saúde.

Como a ação foi só contra Natal, os demais municípios podem baixar a faixa etária, mas Natal só pôde fazer isso com a anuência do MP, sob pena de pagar multa de 50 mil reais por dia.

A promotora de Justiça Iara Pinheiro disse que “a população dos privados de liberdade e moradores de rua, por exemplo, são pequenas e podem ser imunizadas rapidamente. Dessa forma, estamos dando cumprimento ao PNI com mais legitimidade”.

Enquanto isso, quem cumpre a lei, paga seus impostos para sustentar os altos salários dos promotores e procuradores, que fique em casa ou se exponha ao perigo de uma contaminação.

Tá tudo errado. Ou não?


Comente aqui