Esporte

TV Brasil vai transmitir Jogos Paralímpicos em parceria com emissoras estaduais

EVENTO EM SALVADOR MARCOU O LANÇAMENTO DA TRANSMISSÃO DOS JOGOS PARALÍMPICOS PELA TV BRASIL E OUTRAS EMISSORAS PÚBLICAS. (FOTO:SAYONARA MORENO)

EVENTO EM SALVADOR MARCOU O LANÇAMENTO DA TRANSMISSÃO DOS JOGOS PARALÍMPICOS PELA TV BRASIL E OUTRAS EMISSORAS PÚBLICAS. (FOTO:SAYONARA MORENO)

Entre os dias 7 e 18 de setembro, a TV Brasil transmitirá os Jogos Paralímpicos 2016, em parceria com emissoras da Rede Pública de Televisão dos estados. Com o slogan O canal dos Jogos Olímpicos, a emissora pública vai exibir as cerimônias de abertura e encerramento e as principais competições.

Hoje (11), em Salvador, atletas paralímpicos participaram do evento de lançamento da transmissão, entre elas a nadadora Verônica Almeida, portadora de uma síndrome rara que afeta os movimentos dos membros e medalhista de bronze na Olimpíada de Pequim, em 2008. Para ela, o importante é que o esporte paralímpico seja visto, aplaudido e apoiado, porque, apesar da superação, ninguém é “coitado”.

“É importante as pessoas entenderem que não é um esporte apenas de superação, é um esporte de alto rendimento, tanto quanto o olímpico. A gente não quer deixar a impressão de que somos coitadinhos, pelo contrário. Nós treinamos e nos dedicamos tanto quanto os [atletas] olímpicos, então, chega dessa coisa de coitadinho”, disse a nadadora paralímpica.

Verônica é a protagonista do filme Quebra-mar, da produtora-executiva Andrea Gama, que lançou o trailer do média-metragem no evento desta quinta-feira. O documentário narra um dos maiores desafios de Verônica, quando entrou para o livro dos recordes, o Guiness Book, ao nadar 12 quilômetros usando apenas o braço esquerdo, entre a Ilha de Itaparica e o Porto da Barra, na Bahia, em quase cinco horas de prova, no ano passado.

“Os paralímpicos, para mim, têm uma tarefa muito mais difícil. Para mim são os verdadeiros heróis, que enfrentam as barreiras do esporte, superando os segundos, mas também as barreiras do dia a dia, porque no Brasil ainda não há uma conscientização sobre a mobilidade, até porque existe também a questão da inclusão”, disse a cineasta.

Os Jogos Paralímpicos Rio 2016 serão disputados de 7 a 18 de setembro. Mais de 4,35 mil atletas de 178 países vão competir em 22 modalidades.

Agência Brasil


Comente aqui