Turismo

Turistas buscam ‘jeitinho’ para conseguir viajar na crise

O motivo, segundo análise da empresa, é o aperto no crédito provocado pela crise e a necessidade que ele trouxe de buscar formas de pagamento alternativas.

Enquanto na internet os pagamentos são feitos principalmente a partir de cartão de crédito, a loja permite a busca por diferentes métodos e combinações, diz Luiz Fernando Fogaça, vice-presidente administrativo, financeiro e de relações com investidores da CVC.

“Na loja, você pode pagar parte em dinheiro, dividir no cartão do marido e da mulher, pagar no boleto. A flexibilidade no mundo off-line é muito maior.”

Segundo ele, mais de 30% das compras em agências são pagas em cheque e boleto. Além disso, 20% delas envolvem pagamento em dinheiro.

O consumidor também está fazendo sacrifícios para economizar nos pacotes. Muitos trocaram viagens de avião pelas de ônibus, diminuíram o tempo de duração dos passeios, trocaram um hotel mais estrelado por um mais simples, mas não deixaram de viajar, segundo Fogaça.

As vendas da operadora de viagens totalizaram R$ 1,5 bilhão no quarto trimestre de 2016, crescimento de 13,4% em relação ao mesmo período de 2015.

Na internet, porém, houve queda de 3,5% na mesma base de comparação e recuo de 5,4% no acumulado do ano.

INTERNACIONAIS

No final de 2016, os consumidores também voltaram a comprar mais viagens internacionais, depois de um primeiro semestre de queda.

A busca por destinos fora do Brasil foi ocasionada por um período de dólar mais estável, segundo Fogaça.

“Para quem viaja a lazer, a estabilidade do câmbio é mais relevante do que a taxa em si. Quando o dólar está subindo ou caindo, a pessoa fica em dúvida se é a melhor hora de comprar ou não.”

Como resultado, as vendas de viagens internacionais cresceram 53,2% no último trimestre na operadora.

Fogaça diz que a crise não alterou significativamente os destinos escolhidos –65% dos consumidores fazem viagens nacionais, 70% deles para praias, sendo as mais buscadas as do Nordeste.

Internacionalmente, Punta Cana, na República Dominicana, região do Caribe, vem se firmando há dois anos como um dos principais destinos, segundo ele.

CVC

FATURAMENTO (4º TRI DE 2016)
R$ 2,3 bilhões

LUCRO LÍQUIDO (3º TRI DE 2016)
R$ 56,7 milhões

NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS
2.280

PRINCIPAIS CONCORRENTES
Flytour, Decolar, Hotel Urbano

Fonte: Folha de São Paulo

Os resultados da CVC, maior grupo de turismo do Brasil, mostram que as vendas da empresa em lojas físicas cresceram em 2016, enquanto as da internet caíram.


Deixe um Comentário