Geral

Tribunal de Justiça inicia julgamento sobre Patrulha Maria da Penha em Natal

A MATÉRIA É OBJETO DE UMA AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (ADIN), PROPOSTA PELO MUNICÍPIO DO NATAL

O Pleno do Tribunal de Justiça do RN iniciou, nesta quarta-feira, 4, as discussões em torno da Lei nº 461/17, de autoria da vereadora Júlia Arruda, que institui a Patrulha Maria da Penha (PMP). A matéria é objeto de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN), proposta pelo Município do Natal, e já recebeu pareceres favoráveis de dois desembargadores, um contra e um pedido de vistas. Acompanharam o julgamento representantes da Prefeitura, da Câmara Municipal de Natal, OAB e movimentos de mulheres.

Dois argumentos polarizaram o debate na sessão de hoje. De um lado, o relator, desembargador Claudio Santos, defendeu que lei não viola a Constituição Estadual, em especial o seu artigo 46, uma vez que não cria novas atribuições ou despesas para a Guarda Municipal. Pensamento seguido pelo desembargador Saraiva Sobrinho, mas que teve a divergência do desembargador Ibanez Monteiro. O debate gerou o pedido de vistas do desembargador Glauber Rêgo, cujo voto será aguardado pelos demais integrantes da Corte.

A Patrulha visa a qualificar a Guarda Municipal para atendimento, apoio e orientação de mulheres que estejam com o benefício das chamadas Medidas Protetivas de Urgência, um dos mecanismos criados pela Lei Maria da Penha para proteger a integridade física de vítimas de violência doméstica e familiar. A PMP atuaria, portanto, para garantir o cumprimento das medidas cautelares e, assim, evitar que mulheres sejam novamente agredidas ou mortas.

“A ideia é que a Patrulha atue naqueles casos em que a mulher já rompeu o silêncio, teve a coragem de denunciar e agora precisa ter resguardada sua integridade física. Porque sabemos que a medida protetiva é um documento e por si só não garante que a mulher não seja revitimizada. O que temos visto é que muitas mulheres morrem com a medida em mãos”, destacou a vereadora Júlia Arruda, autora da Lei e presidente da Frente Parlamentar da Mulher da Câmara Municipal de Natal.

Na ADIN nº 2017.004861-7, a Procuradoria Geral do Município (PGM) alega, no entanto, que a lei que cria a PMP é formalmente inconstitucional, por usurpação da competência exclusiva do chefe do Poder Executivo. De acordo com o entendimento da PGM, também haveria vício de iniciativa, com desrespeito à cláusula da reserva da administração, bem como por usurpar as atribuições que seriam da Polícia Militar para promover o policiamento ostensivo.

A Procuradoria da Câmara Municipal de Natal, por sua vez, rebate que não há aumento de efetivo, nem criação de um regime jurídico ou despesas. A Lei apenas regulamentaria as atribuições que já existem para os guardas municipais. Argumento também reforçado pela seccional potiguar da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), presente na sessão do TJ, e que alertou para o crescimento dos índices de violência contra a mulher no RN, apontando um aumento de 214% nos casos.

“Não estamos mais naqueles tempos em que havia o entendimento de que o guarda municipal só se atém aos prédios municipais e aos serviços. Ela, a Guarda, está presente na esfera pública. E não há criação de novo órgão. Apenas se usa das atribuições do próprio efetivo”, defendeu o relator, desembargador Claudio Santos. “Me causa estranheza que a Prefeitura, ao mesmo tempo em que já deu diversas sinalizações de que vai implementar a Patrulha, inclusive com a compra de uma viatura, fruto de uma emenda nossa, tenha escalado um procurador para fazer a sustentação oral contra a lei”, questionou a vereadora Júlia.

Com o pedido de vistas feito pelo desembargador Glauber Rêgo, os demais integrantes da Corte de Justiça agora aguardarão seu voto. Restam duas sessões ordinárias antes do início do recesso forense.


Comente aqui