Internacional

Terremoto deixa três mortos e centenas de feridos no Japão

PAREDE CEDEU E MENINA MORREU PERTO DE UMA ESCOLA EM OSAKA, NO JAPÃO, APÓS TERREMOTO (FOTO: SHUICHIRO SUGIYAMA/KYODO NEWS VIA AP)

 Um terremoto de magnitude 6,1 atingiu o oeste do Japão neste domingo (17), causou a morte de três pessoas – inclusive uma criança de nove anos – e deixou centenas de feridos. Não houve alerta de tsunami.

É o tremor mais forte já registrado em Osaka, a segunda maior cidade do país, de acordo a agência metereológica do Japão, que passou a registrar os dados em 1923. A informação das mortes causadas pelo tremor foi confirmada pelo porta-voz do governo japonês, Yoshihide Suga. A emissora de televisão pública NHK fala em mais de 230 feridos.

Os três mortos são uma criança de 9 anos atingida pela queda de um muro de uma escola e dois idosos – um de 85 anos que morreu em casa e outro de 80 que também foi atingido por uma parede. Todas as vítimas morreram em Osaka.

O tremor ocorreu às 7h58 (horário local, 19h58 de domingo em Brasília) e seu epicentro foi a 10 quilômetros de profundidade em Osaka, na Ilha de Honshu – a maior do arquipélago japonês -, e cerca de 500 quilômetros a oeste de Tóquio. Vários edifícios caíram e pegaram fogo nas cidades de Osaka e Takatsuki. A companhia de energia elétrica Kansai informou que mais de 170 mil residências ficaram sem energia em Osaka e na região de Hyogo.

O tremor suspendeu o serviço do trem-bala e os trens locais nas prefeituras de Osaka, Shiga, Hyogo, Kioto e Nara mesmo após a energia ser reestabelecida. O aeroporto Internacional de Kansai (Osaka), o mais importante do oeste do Japão, foi reaberto, mas 41 voos foram cancelados. Nenhum dos 15 reatores nucleares da região foram afetados pelo tremor, segundo as autoridades.

O país está localizado no chamado “Anel de Fogo”, uma das zonas sísmicas mais ativas do mundo, e sofre terremotos com relativa frequência, mas possui infraestruturas desenvolvidas para suportar os tremores.

GARRAFAS QUEBRADAS NO CHÃO DE MERCADO APÓS TERREMOTO EM OSAKA (FOTO: TWITTER/@TW_HDS/VIA REUTERS)

G1


Deixe um Comentário