Política

‘Se algo estiver errado, que paguemos’, diz Bolsonaro sobre ex-assessor

O PRESIDENTE ELEITO, JAIR BOLSONARO, EM VÍDEO NO FACEBOOK NESTA QUARTA-FEIRA (12)

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, fez uma transmissão ao vivo no Facebook na noite desta quarta-feira (12) e, ao despedir dos usuários, disse que ele e o filho Flávio Bolsonaro não são investigados no caso da Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras). O militar afirmou, porém, que, se “algo estiver errado […] que paguemos a conta deste erro”.

Bolsonaro disse que “dói no coração” o caso ter vindo a público, mas que concorda e acha que tudo precisa estar exposto. “Nem devia ter nada reservado”, afirma.

Dói, porque o que nós temos de mais firme é o combate à corrupção e aconteça o que acontecer, enquanto eu for o presidente, nós vamos combater a corrupção usando todas as armas do governo, inclusive o próprio Coaf“, disse o capitão da reserva.

Em 7 de dezembro, o Estado de S.Paulo publicou matéria que revelou movimentações financeiras atípicas em uma conta no banco Itaú feitas pelo ex-assessor e ex-motorista do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), Fabrício José Carlos de Queiroz.

As transações estavam em um relatório da Coaf, parte da Operação Furna da Onça, um dos desdobramentos da Lava Jato no Rio. O militar afirmou que fará uma live por semana.

Brasil pode sair do Acordo de Paris

Bolsonaro criticou a política ambiental do país e disse que pode sair do Acordo de Paris. O militar afirmou que levará projetos ao Congresso que modifiquem a lei ambiental. Disse ainda que o objetivo é fazer com que a “política ambiental não atrapalhe o desenvolvimento do Brasil”.

O próximo chefe do Executivo afirmou, que junto ao futuro chanceler, Ernesto Araújo, sugerirá mudanças no Acordo de Paris. Caso não sejam atendidas, o Brasil deixará o tratado.

Se exige que o Brasil faça um reflorestamento de uma área enorme, algumas vezes do tamanho do Estado do Rio de Janeiro. Não temos como cumprir uma exigência dessa. Se assina porque é bonito, até porque a exigência para cumprir em 2030, então, quem for o presidente em 2030 que se vire, mas as sanções vêm aí. […] Eu sendo o presidente, ouvindo o meu ministro do Itamaraty, nós vamos sugerir no Acordo de Paris mudanças. Se não mudar, sai fora“, afirmou.

Bolsonaro ainda repetiu algumas vezes que o Ibama possui “caprichos” que afetam o trabalhador. Bolsonaro dá exemplo de um caso em que um pescador de Angra dos Reis foi multado, de acordo com ele, em R$ 170 mil.

Aconteceu há uns 3 anos atrás aproximadamente, [o pescador recebeu] uma multa de 170 mil reais, porque estava com o barquinho dele indo pescar mais ao largo do mar e passou na região conhecida como Estação Ecológica da Jureia. E naquele raio de 1 km daquela ilha, ele passou por ali e foi multado. Um absurdo. É inacreditável que isso aconteça no Brasil. Um capricho por parte de alguns fiscais do Ibama”, afirmou.

O político do PSL também criticou a porcentagem das multas ambientais destinadas a ONGs (organizações não-governamentais) que se responsabilizam em preservar o meio ambiente.

O militar disse que acabará com o benefício. “Nós sabemos como muitas ONGs, não são todas, agem no Brasil. Isso vai deixar de existir.

Imigração: Brasil não pode ‘escancarar as portas’

O Pacto Global para a Migração também esteve em pauta na transmissão de 15 minutos. O presidente eleito afirmou que mesmo sendo uma nação formada por processos migratórios, é contra a “cota migratória para o nosso Brasil”.

Nós somos formados de imigrantes, minha família mesmo é de imigrantes da Itália. Todo mundo é imigrante aqui no Brasil, agora, tem um detalhe: nós já somos uma nação, uma pátria, somos um país. Não podemos escancarar as portas para que quem quiser vir para cá venha numa boa. Venha, inclusive, com uma cultura completamente diferente da nossa”, afirma.


Deixe um Comentário