Economia

RN recebe investimento de quase R$ 18 milhões através do microcrédito da AGN

A economia do Rio Grande do Norte recebeu a injeção de quase R$ 18 milhões durante o ano de 2019 através do programa Microcrédito do Empreendedor Potiguar. A iniciativa contemplou milhares de microempreendedores espalhados pelos quatro cantos do estado.

O resultado de R$ 17,9 milhões distribuídos em um total de 5.689 operações de financiamento para microempreendimentos dos setores de comércio, serviços, indústria, artesanato, agricultura familiar e cultura é responsável pela geração/manutenção estimada de mais de 8,5 mil empregos no estado. A estimativa do programa é de que, a cada financiamento realizado, é gerado ou mantido 1,5 posto de trabalho no estado.

Em 2019, mais de 100 cidades receberam o programa Microcrédito. A região Oeste lidera o número de operações no ano com 2.586 contratos assinados num valor total de R$ 7,6 milhões investidos em 30 cidades. O número de financiamentos na região supera em 555 o número do ano passado. A cidade de Apodi é quem lidera o ranking de cidades com maior número de operações no programa com um total de 411.

A região Seridó vem logo em seguida com R$ 4,4 milhões investidos através de 1.325 operações distribuídas em 20 cidades. A região do Litoral potiguar é a terceira no ranking com 777 operações e um volume de recursos financiado que alcança a marca de R$ 2,7 milhões em municípios.

Ainda neste ano de 2019, também foram destaque na AGN, a criação da linha Pró-Cultura, ferramenta inédita no estado de incentivo à economia criativa e produção cultural no estado, a parceria com a Sedraf para financiamento à agricultura familiar no estado, a disponibilização de crédito para motoristas por aplicativo, além do credenciamento ao Fungetur para financiamento de empreendimentos para o desenvolvimento do turismo.

Para a diretora-presidente da AGN, Márcia Maia, que assumiu a função no primeiro semestre de 2019, o primeiro ano de gestão à frente da instituição foi satisfatório não apenas por superar o resultado dos números de 2018 quanto ao volume de recursos financiados, mas especialmente pelas mudanças realizadas melhoria da concessão do crédito, a redução da inadimplência do programa mês a mês, as parcerias com secretarias de estado, além da redução dos custos operacionais da instituição a partir de uma reestruturação administrativa.

“Foi um primeiro ano de gestão produtivo e com um impacto real na vida das pessoas. Nós, como uma instituição financeira de fomento e desenvolvimento, conseguimos realizar essa missão. Em 2020, vamos dar sequência ao trabalho que tem sido realizado e buscar novas alternativas para auxiliar na promoção do desenvolvimento e geração de oportunidades de negócios para os norte-riograndenses”, afirmou Márcia.


Comente aqui