Política

PT declara apoio a Maduro e acusa Bolsonaro de submeter-se à política dos EUA

A PRESIDENTE DO PT, GLEISI HOFFMANN: ‘BOLSONARO EMBARCA EM CRISE QUE NÃO É NOSSA’ – 15/08/2018 (EVARISTO SÁ/AFP)

O Partido dos Trabalhadores (PT) deu seu apoio nesta quinta-feira, 24, ao regime de Nicolás Maduro, neste momento desafiado pelo líder da oposição, Juan Guaidó, que declarou-se presidente interino da Venezuela. Em nota publicada em seu portal na internet, a presidente petista, Gleisi Hoffmann, acusa o presidente Jair Bolsonaro, de interferir em assuntos internos venezuelanos e de submeter-se à política externa dos Estados Unidos.

Com sua manifestação, o PT se alinha à Rússia e aos países bolivarianos, que já expressaram repúdio às pressões domésticas e internacionais em favor da renúncia de Maduro e rechaçaram o reconhecimento de Guaidó como presidente interino da Venezuela.

“Incapaz de lidar com os problemas reais do Brasil, o governo de Jair Bolsonaro intrometeu-se nos assuntos internos de um país vizinho, a Venezuela, submetendo-se de forma humilhante à política externa do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump“, afirmou Hoffmann na nota.

“Repudiamos a intervenção na Venezuela e conclamamos as forças democráticas da América Latina a retomar o diálogo político independente que vínhamos construindo neste Século XXI.”

Com esse argumento, ela conclui que “Jair Bolsonaro embarca o Brasil numa crise que não é nossa, ao invés de contribuir para uma solução política”.

O PT considerou os apoios dos Estados Unidos, do Brasil, da União Europeia e mais seis países a Guaidó, como presidente interino, como uma “intervenção estrangeira” e um “golpe de estado” na Venezuela. A situação, para Hoffmann, “remete à América Latina de volta ao século passado; ao tempo da Guerra Fria” e pode transbordar para um conflito militar na região.

“Quantos golpes de estado, quantas ditaduras se estabeleceram no continente sob o pretexto de ‘defender a democracia’? E sempre de acordo com os interesses dos Estados Unidos”, insistiu a petista, para quem a Venezuela pode se tornar “um novo Iraque” na vizinhança sul-americana.

Em sua argumentação, a presidente do PT insistiu haver “desafios comuns” ao Brasil e à Venezuela na fronteira. Entre outros, mencionou o comércio intenso favorável ao Brasil, que gera empregos e riqueza no nosso pais – o mesmo praticamente anulado pela falta de pagamentos da Venezuela aos exportadores brasileiros e pela crise econômica sem precedentes naquele país. “Ao Brasil interessa uma Venezuela em paz, soberana e em desenvolvimento”, concluiu.

Gleisi aproveitou o episódio para expressar a divergência do PT aos rumos da política externa de Bolsonaro. Assinalou que o Brasil construiu boas relações com outros países com base no princípio da autodeterminação dos povos, tornou-se respeitado mediador de conflitos na América latina e todo o mundo e desemprenhou papel importante no Mercosul, na União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

“Hoje, os novos organismos políticos regionais estão sendo deliberadamente esvaziados por governos de direita, entre os quais se inclui o de Bolsonaro”, denunciou.

Veja



Deixe um Comentário