Geral

Proprietários de barcos devem agendar visitação aos Parrachos de Pirangi

O LOCAL É VISITADO POR MILHARES DE TURISTAS PRINCIPALMENTE NO PERÍODO DA ALTA ESTAÇÃO.

O LOCAL É VISITADO POR MILHARES DE TURISTAS PRINCIPALMENTE NO PERÍODO DA ALTA ESTAÇÃO.

Os parrachos de Pirangi, de responsabilidade da União, terão acesso monitorado, mais uma vez, pelo Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (IDEMA). O local é visitado por milhares de turistas principalmente no período da alta estação. Dando continuidade ao que ficou estabelecido no Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), firmado pelo Ministério Público Federal (MPF), o IDEMA fará o agendamento das embarcações que terão acesso aos parrachos.

A ferramenta disponibilizada no site possibilita que os interessados coloquem os dados pessoais e também do barco e informem o dia da visita. 39 embarcações terão acesso liberado diariamente, conforme estabelecido no TAC. Cada barco pode ser cadastrado 1 vez por semana, podendo ser aberta exceção em casos de vagas remanescentes ou desistências.

“A Agenda Parracho foi criada em dezembro do ano passado e por meio dela conseguimos disciplinar o acesso de turistas e visitantes. Esse controle é imprescindível para que o desenvolvimento se dê de forma sustentável”.

O TAC, assinado também pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), Capitania dos Portos do RN e ONG Oceânica, disciplina a exploração turística nos parrachos com o objetivo de reduzir os danos ambientais e aumentar a segurança dos visitantes.

Após vários estudos e discussões entre as partes envolvidas, o IDEMA assumiu a responsabilidade do agendamento, o IBAMA de fiscalizar irregularidades verificadas nas embarcações particulares e a Capitania dos Portos vai  fiscalizar a segurança dos barcos.

O Termo de Ajustamento de Conduta mais recente estipulou uma nova regra que beneficia os moradores nativos da região. Dos 39 barcos que terão acesso diariamente aos parrachos, 5 serão exclusivos para esses moradores.  Os Parrachos de Pirangi são formações recifais sobre as quais se formam piscinas naturais, durante a maré baixa.

A área fica entre os municípios de Parnamirim e Nísia Floresta e é especialmente protegida pelos órgãos de meio ambiente, devido à grande biodiversidade, com numerosas espécies de peixes, algas e invertebrados.

Um diagnóstico ambiental produzido pela ONG Oceânica apontou a degradação da área dos parrachos de Pirangi, em decorrência da exploração indevida. Para evitar maiores prejuízos ao ecossistema local, há no TAC a previsão de manutenção periódica e adequada das embarcações, para prevenir vazamento de óleo; a proibição de fundear em qualquer ponto dos recifes, independente do tipo de âncora; a proibição de despejar lixo no mar, ou mesmo alimentar os peixes; além de outra série de cuidados com a fauna e flora.


Deixe um Comentário