Economia

Procon constata aumentos, mas diz que 43,21% dos postos vendem gasolina abaixo do preço médio em Natal

FOTO: DIVULGAÇÃO

O Instituto Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor do Natal – Procon Natal realizou pesquisa de preço dos combustíveis no dia 15 de julho de 2021, em 81 postos da cidade do Natal, nas quatro regiões da cidade. A pesquisa esse mês constatou mais uma vez aumentos nos preços ao consumidor, ou seja, devido ao repasse de reajuste do governo federal pela companhia nacional de petróleo – ANP, e isso se refletiu diretamente nas bombas.

O reajuste no dia 05 do mês corrente alcançou (6,3%) no litro da gasolina, uma média de R$ 0,16 por litro de gasolina, já o diesel o reajuste foi de (3,7%), ou seja, uma média de R$ 0,10 no litro. A Petrobras tem o posicionamento de evitar repasse imediato dos preços no mercado interno, mas busca o equilíbrio dos preços com o mercado internacional. Sendo assim, segundo a empresa o aliamento “é fundamental para garantir que o mercado brasileiro siga suprindo sem riscos de desabastecimento pelos diferentes setores responsáveis pelo atendimento as diversas regiões”.

Para o Núcleo de pesquisa do Procon Natal, os preços dos combustíveis encontrados nos postos de gasolina estão em alta, devido a repasse do aumento anunciado pelo governo federal no mês de julho, é o que demostra a pesquisa realizada por este órgão e orienta aos consumidores que pesquisem na hora de abastecer, dado que em meio a tanta alta de preços encontram-se preços abaixo da média.

No mês de julho a pesquisa encontrou a gasolina comum com variação de (6,39%) muito próximo ao reajuste anunciado pelo governo federal para esse mês, o preço médio da gasolina comum encontrado pela pesquisa foi de (R$ 6,361), no entanto, a pesquisa encontrou no Posto Ribeira na avenida Rio Branco no bairro da ribeira gasolina ao menor preço de (R$ 6,170) e em espécie, ou seja, no dinheiro esse valor passava a (R$ 6,04). Para o diesel comum a pesquisa encontrou variação de um mês para o outro de (1,27%) abaixo da anunciada pelo governo federal.

O etanol apresentou variação de um mês para o outro de (0,69%), onde em junho o preço médio foi de (R$ 5,573) e em julho o preço médio encontrado foi de (R$ 5,611) uma diferença a maior de (R$ 0,039) centavos de reais, apesar de o etanol sofrer ainda com produção de cana-de-açúcar sendo direcionada as usinas para a produção de açúcar para exportação, um menor preço de (R$ 5,490) foi encontrado pelos pesquisadores, pelo segundo mês seguido, no posto São João, na rua João de Deus, bairro das Rocas.

O Gás veicular foi outro combustível que a pesquisa nesse mês de julho encontrou variação alta em relação ao mês anterior de (2,60%), o preço médio nesse mês foi de (R$ 4,289) e no mês passado a pesquisa encontrou esse combustível sendo vendido a (R$ 4,180). A Petrobras anunciou dia 6 (seis) de julho reajuste de 7% para 1º de agosto, reajuste da política de preço do governo federal, referente a renovação dos contratos a cada três meses, com base nos preços do petróleo, no câmbio, e na revisão da parcela de transportes das empresas.

O Núcleo de pesquisa do Procon Natal acompanha mensalmente os preços dos combustíveis na cidade do Natal. A pesquisa identifica os aumentos anunciados pela Petrobras e sempre encontra preços de gasolina nos postos de combustíveis abaixo da média. Nesse mês de julho a pesquisa encontrou do total de postos pesquisados, em (43,21%) dos postos pesquisados gasolina comum estava sendo vendida abaixo da média e (41,98%) para a gasolina aditivada, já o etanol foi encontrado o seu preço abaixo da média em (66,67%) dos postos pesquisados. O mesmo ocorreu com o diesel comum e o S-10 com (14,81%) e (22,22%) dos postos pesquisados sendo vendido abaixo da média. Também foi observado no diesel, que além dos postos vendendo abaixo da média, uma variação entre o maior e menor preço de (13,83%) e (13,27%) respectivamente.


Comente aqui