Política

Presidente da comissão da reforma confirma dificuldade de votação esta semana

O presidente da Comissão Especial da reforma da Previdência, deputado federal Marcelo Ramos (PR-AM). Foto: Sérgio Lima/PODER 360

O presidente da Comissão Especial da reforma da Previdência, Marcelo Ramos (PL-AM), confirmou nesta terça-feira, dia 25, que a votação do relatório poderá ficar para a próxima semana. A possibilidade da votação foi revelada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

“O prazo do deputado Rodrigo Maia é sempre o meu prazo. Hoje, eu vou conversar com ele no final da manhã e a gente vai conseguir tem 1 calendário mais preciso”, disse Ramos antes de dar início às discussões de hoje sobre o projeto.

Ele evitou, porém, bater o martelo sobre uma data de votação para “não criar tensão na comissão”. Segundo Ramos, se ele confirmar o dia da votação, a oposição fará “de tudo para que eu não cumpra a data carimbada”.

A Comissão Especial discute o parecer do relator Samuel Moreira (PSDB-SP) há 3 sessões. Para que a discussão ocorresse o governo e a oposição fizeram 1 acordo: a oposição não obstrui a discussão no colegiado e o governo não apresentaria um requerimento que encerrasse as falas. 155 deputados se inscreveram para falar. No início da sessão de hoje, restavam 77 inscritos.

Ainda assim, Ramos espera encerrar as discussões nesta terça-feira, 25. “Abrindo a sessão certamente muitos inscritos cairão porque muita gente não está em Brasília ainda”, disse. Encerrados os pronunciamentos, o relator apresentará um voto complementar, ou seja, uma nova versão de seu texto.

O presidente do colegiado então dará um prazo para apresentação dos destaques e depois agendar a votação que pode durar mais de um dia. Se aprovada na comissão, a proposta segue para apreciação no plenário. Lá, precisará de ao menos 308 votos dos 513 deputados, em 2 turnos de votação, entre os quais é preciso esperar 1 intervalo de 5 sessões.

Rodrigo Maia quer que esta etapa ocorra na 1ª ou 2ª semana de julho, antes do recesso parlamentar.

MUDANÇAS NO TEXTO

Além dos ajustes feitos pelo relator, o próprio governo estuda enviar destaques que alterem o texto. Nessa segunda, 24, a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), não especificou quais ajustes serão realizados, mas adiantou que alguns pleitos de categorias policiais e o pagamento do BPC (Benefício de Prestação Continuada) para pessoas com doenças raras estão entre os beneficiados.

O presidente do colegiado especial criticou a iniciativa. “Não dá para o PSL, que é o partido do presidente, fazer destaque de votação em separada de temas que comprometam de ponto de vista fiscal a proposta”, declarou.

Com informações: Poder360


Deixe um Comentário