ELEIÇÕES 2022

OPINIÃO: Jornalista avalia que deputado Girão pode ser o nome para enfrentar Fátima Bezerra, “se unir à oposição”

FOTO: DIVULGAÇÃO

Texto: *Joaquim Pinheiro

Deputados federais do Rio Grande do Norte de partidos à “direita” estão articulando a formação de um bloco partidário, chamado inicialmente de “chapão” para facilitar suas reeleições, levando o maior número possível de parlamentares de volta à Câmara Federal no pleito deste ano.

A principal preocupação são as mudanças na legislação eleitoral que aumentou significativamente o coeficiente eleitoral, tornando o processo eleitoral de reeleição bastante difícil para os atuais detentores de mandato. Estão fora dessa articulação os deputados do PT e do Solidariedade, que em tese têm situação mais confortável na busca da reeleição.

No sistema considerado de “direita” estão os deputados Girão Monteiro (PSL), Benes Leocádio (PTC), Walter Alves (MDB), Beto Rosado (PP), João Maia (PR) e Carla Dickson, suplente que está substituindo o deputado Fábio Faria, licenciado para ser ministro das Comunicações do atual governo. 

O deputado General Girão Monteiro (PSL), que deverá trocar de partido, poderá ser o nome do sistema “bolsonarista” para disputar o governo do Rio Grande do Norte nas eleições deste ano.

O general-deputado exerce o seu primeiro mandato e tem feito um bom trabalho representando o Estado na Câmara Federal. Além disso, o nome da bancada federal mais identificado com o presidente Jair Bolsonaro é o do general Girão pelo fato de ser militar.

De acordo com especialistas da política, o maior desafio do provável candidato a governador, general Girão, será unir a bancada oposicionista para enfrentar a petista Fátima Bezerra, do PT, com chances reais de vitória.

*Joaquim Pinheiro é jornalista de política



1 Comentário

  • Uma paraibana (que construiu sua trajetória aqui) e um cearense (importado pelaRosalba Carlini, mas que jamais residiu no RN) disputando poder de mando atestam o quanto a taba de Poti foi literalmente abandonada por sua classe política tradicional. E o bom é que ninguém precisou empurrá-la, ela mesma deu o salto triunfal.

Comente aqui