Esporte

Olimpíadas são gigantes para o surf: “Anos atrás, era esporte de vagabundo”, lembra Ítalo Ferreira

EM VISITA A INSTALAÇÕES OLÍMPICAS NO RIO DE JANEIRO, POTIGUAR REALIZA EXAMES MÉDICOS E COMENTA ENTRADA DO SURF NAS OLIMPÍADAS. FOTO: REPRODUÇÃO/INSTAGRAM

A última etapa do Championship Tour da WSL em 2019 mudou completamente a vida de Italo Ferreira — ele não apenas conquistou o título mundial e da etapa mais prestigiada de todo o surf profissional como se qualificou para a estreia do surf nas Olimpíadas, em Tóquio 2020. Em visita ao Rio de Janeiro, o potiguar falou sobre o assunto.

“Sem dúvida isso é algo gigantesco para o esporte. Alguns anos atrás, era um esporte de vagabundo”, disse ele, em entrevista à agência de notícias Reuters. “Hoje em dia as pessoas levam seus filhos para praia, colocam seus filhos em escolinhas de surfe para que eles possam ter um esporte saudável. Acho que todos que competem no circuito mundial quebraram essas barreiras, esse preconceito geral”, continuou Italo.

Nesta sexta, ainda no Rio, Italo conheceu as instalações do centro olímpico. Ele também realizou exames nos laboratórios do COB, ao lado das duas mulheres que representarão o Brasil no surf em Tóquio, Tatiana Weston-Webb e Silvana Lima.


Deixe um Comentário