Geral

Número de doações de órgãos triplicam no RN

ATUALMENTE, O RN REALIZA TRANSPLANTES DE RINS, CÓRNEA E MEDULA ÓSSEA

O ano de 2019 começou com excelentes resultados no contexto da doação de órgãos no Rio Grande do Norte. O número de doações efetivas de múltiplos órgãos (aquelas em que os órgãos são captados) triplicou comparando o primeiro mês de 2019 com o mesmo período de 2018. Isso porque em janeiro do ano passado foram 03 doações efetivas, enquanto em 2019 o número chegou a 09 doadores efetivos.

“É a primeira vez que é registrado este número de doadores em um único mês. O aumento no número de doações tem impacto direto na elevação também do número de transplante de órgãos e tecido no estado. Somente em janeiro de 2019 já foram realizados 16 transplantes renais”, comemora Raissa Marques, coordenadora de Central Estadual de Transplantes do RN (CET).

Atualmente, o RN realiza transplantes de rins, córnea e medula óssea. A lista ativa de espera para o transplante renal, atualizada em janeiro de 2019, conta com um total de 208 pacientes inscritos. Já a lista de espera por um transplante de córnea é de 186 pacientes.

Captações

Nesse domingo (10), a Central Estadual de Transplantes, junto à Organização de Procura de Órgãos (OPO), intermediou duas captações que ocorreram em Mossoró. Uma no Hospital Tarcísio Maia e outra no Hospital Wilson Rosado, esta última a doadora foi uma criança de 1 ano e 10 meses. Os pais são doadores declarados em vida e foi o pai da criança que abordou a equipe sobre a possibilidade de doar os órgãos. Seu ato salvou a vida de três crianças – o coração foi transplantado em uma criança com meses de vida em Brasília, o fígado e os rins foram transplantados em crianças em Pernambuco.

Números

Em todo o ano de 2018 foram realizados 265 transplantes no estado, sendo 162 de córneas, 62 de medula e 41 de rins. O número de doações foi de 36 para múltiplos órgãos e 112 para córneas

“A doação de órgãos/tecidos é um gesto solidário que permite às famílias que perderam seus entes queridos a oportunidade de deixar parte deles vivendo em outras pessoas. A vida não se extingue e sim se transmite sob forma de amor ao próximo. Este nobre gesto tem contribuído para salvar ou melhorar a qualidade de vida de milhões de pessoas em todo o Brasil”, finalizou Raissa.


Deixe um Comentário