Mundo

Nicolas Sarkozy é condenado a 3 anos de prisão por subornar juiz

O EX-PRESIDENTE FRANCÊS CUMPRIRÁ PENA EM REGIME DOMICILIAR COM O USO DE TORNOZELEIRA ELETRÔNICA. FOTO: JACQUES PAQUIER/FLICKR

O ex-presidente da França Nicolas Sarkozy (2007-2012) foi julgado e condenado nesta 2ª feira (1º.mar.2021) a 3 anos de prisão, sendo 1 ano em regime fechado. Ele foi acusado de corrupção ao subornar um juiz e de tráfico de influência.

A promotoria havia solicitado uma pena de 4 anos de prisão, sendo 2 em regime fechado, pois a imagem presidencial havia sido “afetada” pelo caso. Como o pedido não foi aceito e 2 anos da sentença foram suspensos, Zarkozy não será preso. O ex-presidente francês cumprirá pena em regime domiciliar com o uso de tornozeleira eletrônica.

O político conservador, Zarkozy se tornou o 2º chefe de Estado na França moderna a ser condenado por corrupção. Em 2011, Jacques Chirac foi condenado a 2 anos de prisão por desvio de fundos públicos para financiar ilegalmente o partido que liderava, mas a pena foi suspensa e Chirac não foi preso.

Ao decidir sobre o caso, o Tribunal de Paris disse houve um “pacto de corrupção” entre o ex-presidente, seu advogado, Thierry Herzog, e o ex-magistrado Gilbert Azibert, que foram condenados à mesma sentença. Ainda cabe recurso no caso.

O caso surgiu após os investigadores terem grampeado os telefones de Sarkozy e de seu advogado, Thierry Herzog, para examinar suspeitas de que o íder líbio Muammar Kadafi, que foi morto em 2011, financiou a bem-sucedida campanha de Sarkozy para a Presidência em 2007.

Sarkozy foi considerado culpado por subornar um juiz do principal tribunal de apelações da França, ao oferecer ajuda ao magistrado para obter um emprego de prestígio em Mônaco. Em troca, queria informações sobre um processo criminal contra ele e seu partido, chamado “Caso Bettancourt”.

O caso envolve a herdeira bilionária da L’Oréal, Liliane Bettencourt. Sarkozy teria aproveitado da senilidade mental dela para obter doações acima do teto legal e para financiar sua campanha eleitoral em 2007. A denúncia do suposto crime acabou sendo arquivada em 2013.

O ex-presidente nega todas as acusações. Disse que considerou ajudar o magistrado como um favor a seu amigo e advogado, Thierry Herzog, mas decidiu não fazer isso.

Poder 360


Comente aqui