Brasil

Moraes dá 24 horas para que hospital e presídio informem como Roberto Jefferson gravou vídeo em que diz ‘orar em desfavor de Xandão’

FOTO: DIVULGAÇÃO

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), estipulou o prazo de 24 horas para que a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária do Estado do Rio de Janeiro e o diretor do Hospital Samaritano Barra informem à Corte as circunstâncias da gravação e divulgação de um vídeo do ex-deputado Roberto Jefferson, presidente do PTB e preso no âmbito do inquérito das milícias digitais, enviado a aliados e divulgado no dia último dia 14. A decisão é desta segunda-feira (18).

Alexandre havia autorizado, no dia 4 de setembro, a saída do político do Complexo de Bangu para realizar tratamento médico no Hospital Samaritano Barra, mas manteve a prisão preventiva.

Entre as medidas cautelares impostas, sob pena de retorno à prisão, estava o uso de tornozeleira eletrônica, a proibição de acesso às redes sociais e de ter contato com outros alvos do inquérito das milícias digitais e da investigação sobre a organização de manifestações violentas no feriado de 7 de Setembro.

No vídeo gravado pelo ex-deputado, e divulgado pelo portal Metrópole, ele afirma “orar em desfavor do Xandão”, apelido que usa para se referir a Alexandre de Moraes, e diz que “Xandão não tem misericórdia de ninguém”, enquanto lê trechos da Bíblia. Ele finaliza o vídeo dizendo que “a tirania se esmaga bem”.

No último dia 13, o ministro determinou que o ex-deputado volte ao cárcere após receber alta do Hospital Samaritano Barra.



Comente aqui