Famosos

Manter Carnaval na pandemia seria desfilar por cima de cadáveres, diz Neguinho da Beija-Flor

SAMBISTA, QUE FOI INTERNADO E PERDEU VÁRIOS AMIGOS PARA A COVID-19, AFIRMA QUE SE CONFORTA AO PENSAR EM 2022. FOTO: REPRODUÇÃO/INSTAGRAM

Não tem Carnaval, mas tem sorriso. Neguinho da Beija-Flor, um dos maiores intérpretes do Carnaval brasileiro, está fazendo de conta que este ano sem folia é só “outro 7 a 1”. Desligou a televisão e “só volta depois da Quarta-Feira de Cinzas”.

Com a voz rouca e potente, em frente à parede cravada de prêmios no apartamento com vista para o mar em Copacabana (zona sul do Rio), ele fala sobre os dias que passou internado, os amigos que perdeu para a Covid-19 e a impossibilidade de desfilar “por cima de cadáveres”.

Sobrevivendo de cachês simbólicos de lives, ele lamenta o desemprego no setor. Também comenta a criminalização do samba e do funk após a morte do neto Gabriel, 20, durante um confronto num baile no ano passado, e cita o racismo que persiste mesmo depois de 46 anos de carreira. Insiste, porém, que a vida não lhe dá motivos para silenciar o riso.

Folha de S. Paulo


Comente aqui