Brasil

Lula, Dilma e Haddad pedem ‘cabeça de Bolsonaro’ ao Congresso Nacional

EX-PRESIDENTES PETISTAS QUEREM PROVIDÊNCIAS URGENTES DO CONGRESSO E APONTAM CRIMES COMETIDOS PELO ATUAL PRESIDENTE. FOTO: PODER 360

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva escreveu nesta terça-feira, 25, em sua conta no Facebook, que o Congresso, as instituições e a sociedade precisam tomar uma posição “urgente” diante do vídeo compartilhado pelo presidente Jair Bolsonaro convocando manifestações em defesa do seu governo e contra os “políticos de sempre” para o dia 15 de março.

“Bolsonaro nunca combinou com democracia. É um falso patriota que entrega nossa soberania aos Estados Unidos e condena o povo à pobreza. Um falso moralista que acoberta o Queiroz e outros corruptos e criminosos”, disse Lula, em referência a Fabrício Queiroz, investigado pela prática de “rachadinha” quando trabalhava no gabinete de Flávio Bolsonaro na época em que o atual senador era deputado estadual no Rio de Janeiro.

Lula afirmou ainda que Bolsonaro e o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno Ribeiro, têm promovido um “gesto autoritário”: “Bolsonaro e o general Heleno estão provocando manifestações contra a democracia, a Constituição e as instituições, em mais um gesto autoritário de quem agride a liberdade e os direitos todos os dias. É urgente que o Congresso Nacional, as instituições e a sociedade se posicionem diante de mais esse ataque para defender a democracia”, afirmou o ex-presidente.

Para Dilma, a atitude do presidente fere a democracia e aumenta o risco de o país retornar aos tempos da ditadura militar.

“Bolsonaro e o general Heleno estão atentando descaradamente contra a Constituição e a democracia ao convocar manifestação contra o Congresso Nacional. Torna-se urgente e necessária forte resposta das instituições ou o país mergulhará, mais uma vez, na escuridão das ditaduras”, tuitou Dilma.

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) também criticou Bolsonaro. Candidato derrotado à Presidência em 2018, Haddad foi irônico: “Bolsonaro, ao que tudo indica, cometeu crime de responsabilidade previsto na Constituição que jurou respeitar mas, certamente, nunca leu”, escreveu, em mensagem no Twitter.



Deixe um Comentário