Cidades

Liga Contra o Câncer completa 71 anos consolidada como referência na democratização do acesso à medicina de ponta

FOTO: DIVULGAÇÃO

A Liga Norte Riograndense Contra o Câncer completa 71 anos de fundação nesta sexta-feira. Fundada em 17 de julho de 1949, a instituição é o único Centro de Alta Complexidade em Oncologia (CACON) do Estado, sendo referência não apenas no tratamento contra o câncer para todas as camadas sociais na região Nordeste, mas também nas áreas de ensino, pesquisa e diagnóstico por imagem.

Com toda sua experiência acumulada ao longo dessas mais de sete décadas de desafios e conquistas, e sempre focada na conjugação de excelência técnica com o capital humano, a Liga segue conseguindo se reinventar na busca em cumprir seu maior objetivo: levar o melhor da saúde para todos, indistintamente.

Reconhecida como uma das maiores referências na democratização do atendimento e ao fácil acesso à medicina especializada do país, a instituição, mesmo em meio à atual crise pandêmica, continua focada em sua missão e segue conseguindo colocar em prática sua política de alinhar inovação, pioneirismo e excelência nos tratamentos, tento realizado no ano de 2020 significativos investimentos que irão ampliar consideravelmente sua capacidade de atendimento e tratamento, passando a oferecer para seu paciente – seja ele do Sistema Único de Saúde (SUS), da rede de convênios privados ou particular – o que existe de mais moderno na medicina diagnóstica e terapêutica no mundo.

 Tomografia Computadorizada

Em sua mais recente aquisição, a Liga, através de recursos próprios e do Governo Federal, adquiriu o CT in a Box, um equipamento de tomografia computadorizada de última geração que é uma unidade de imagem e de construção rápida que auxiliará com ainda mais rapidez e agilidade o diagnóstico das doenças.

O aparelho será o segundo CT in a Box instalado no país. O equipamento, que produz imagens de altíssima qualidade, contribuirá para a tomada de decisões clínicas, possuindo também uma sala de laudo dentro da própria unidade, que disponibilizará os resultados e imagens diretamente para os médicos, que poderão acessá-los de qualquer parte do hospital poucos minutos após a realização do exame.

“Doenças como a pneumonia poderão ser detectadas de forma rápida, contribuindo para que o quadro respiratório do paciente tenha um acompanhamento mais assertivo. A expectativa é que 300 pacientes sejam diagnosticados já nos primeiros 30 dias de trabalho”, afirma Roberto Magnus Duarte Sales, superintendente da Liga Contra o Câncer.

O equipamento já começou a ser montado no Hospital Dr. Luiz Antônio, devendo começar a operar nas próximas semanas.

Halcyon-E

No início do mês de junho, entrou em funcionamento o Halcyon-E. Trata-se da máquina mais moderna existente no mundo para o tratamento em radioterapia, sendo o quarto em operação hoje no Brasil, e o primeiro destinado a pacientes do Sistema Único de Saúde – SUS.

Tratou-se de um investimento de recursos próprios na ordem de R$ 12 milhões em equipamentos e instalações. O Halcyon-E é um novo acelerador linear que une a tecnologia mais moderna de irradiação à técnica mais precisa existente de localização diária, o IGRT ou radioterapia guiada por imagem, que gera um altíssimo grau de precisão. Com o Halcyon-E a Liga já consegue reduzir drasticamente o tempo de tratamento dos pacientes, diminuindo sua exposição à radiação e consequentemente o número de sessões necessárias, aumentando as suas chances de recuperação e retorno mais rápido a sua rotina.

Apropriado para tratamentos avançados de todos os tipos de câncer, a nova tecnologia permite ao médico ter o controle real e exato da dosagem, possibilitando a aplicação de uma maior dose na área doente, poupando os tecidos saudáveis. Tratamentos que poderiam levar meses são reduzidos para algumas semanas. Se pegarmos o câncer de mama como exemplo, que tem o tempo médio de tratamento de 33 dias úteis, com o Halcyon-E passou para 5 dias; o câncer de próstata caiu de 38 dias úteis em média para 20 dias. Já pacientes com metástase óssea já têm seu tratamento reduzido de 20 para um dia.

Ensino e Pesquisa

Dada a importância do ensino e pesquisa e a fim de garantir a sua missão, a Liga, desde sua concepção, atua como agente formador dos profissionais de Saúde do Estado do Rio Grande do Norte. Em 1989 fundou o Departamento de Ensino, Pesquisa e Educação Comunitária (DEPECOM).

Em 2018, o departamento foi ampliado e recebeu o nome de Escola de Oncologia da Liga. Atualmente dispõe de cursos de Residência Médica nas áreas de Mastologia, Radioterapia, Cancerologia Clínica, Cancerologia Pediátrica e Cancerologia Cirúrgica; de Residência Multiprofissional em Saúde nas áreas de Enfermagem, Nutrição e Farmácia. Possui ainda Pós-graduação Lato sensu na área de Enfermagem Oncológica e convênio com diversas Instituições de Ensino Superior sendo cenário de formação de práticas curriculares em saúde. O Ensino na LIGA fomenta diversos cursos de capacitação, práticas hospitalares, simpósios e jornadas, além do congresso científico que atualiza bianualmente os profissionais da área de Oncologia.

Já na área da pesquisa clínica, a Liga, através do seu Centro de Pesquisa Clínica, vem obtendo reconhecimento nacional e internacional há alguns anos. Em projetos específicos, como nos estudos ligados ao câncer de próstata, pulmão e mieloma múltiplo, a instituição está entre os maiores recrutadores de casos do mundo.

 Com mais de dez anos de atuação, o setor possui diversos trabalhos em andamento e outros já premiados internacionalmente, entre eles estudos com pesquisas voltadas para o aconselhamento genético, que avalia o risco hereditário de diversos tipos de câncer.

Baseado no número de pacientes recrutados e incluídos em estudos, a Liga Contra o Câncer está entre as três maiores instituições de pesquisa clínica no Brasil. Atualmente, mantém pesquisas conjuntas com instituições de diversos países, entre eles as universidades de Oxford, na Inglaterra, e de Sorbonne na França.

A Instituição se diferencia por desenvolver estudos e pesquisas no âmbito hospitalar, oferecendo atividades nos quatro pilares: ensino, pesquisa, extensão e inovação.



Comente aqui