Internacional

INSANIDADE: indivíduo castra homem que tinha fetiche por eunucos

HOMENS SE CONHECERAM ATRAVÉS DE SITE QUE REÚNE PESSOAS COM FETICHE POR CASTRAÇÕES. FOTO: REPRODUÇÃO

Um homem da Flórida foi preso por castrar um indivíduo que teria se oferecido para a remoção caseira de seus próprios testículos. Os dois se conheceram em um site que reúne pessoas que têm fetiche por eunucos.

“Esta história é um pouco, digamos, sensível”, advertiu a chefia de polícia do condado de Highlands, no centro da Flórida, em um comunicado. “Definitivamente, ficará na memória por um tempo”, completou.

Pouco antes da meia-noite do domingo, a polícia atendeu a uma chamada de emergência e encontrou Gary Van Ryswyk, de 74 anos, e outro homem que sangrava em profusão na cama. Sua virilha estava coberta com uma toalha.

Van Ryswyk “contou ao oficial que tinha acabado de castrar o homem e não cortou o testículo”, informou a polícia na terça-feira.

O quarto estava montado como uma sala de cirurgia improvisada, e uma câmera gravava o procedimento. “Havia um recipiente que continha duas partes humanas que até muito pouco antes costumavam estar mais perto da vítima”, completou o comunicado. O homem foi enviado para um hospital próximo, e seu quadro é estável.

Van Ryswyk relatou à polícia que conheceu a vítima em um site que reúne pessoas com um fetiche por castrações. Ele disse ter dito à vítima que praticava com animais e que removeu um de seus próprios testículos em 2012.

Afirmou ainda que já havia feito um procedimento similar em um motel há alguns anos, com os mesmos resultados desta vez. Van Ryswyk foi detido na segunda-feira, acusado de praticar medicina sem licença e por lesões corporais.

Sobre Eunucos

Atualmente parece loucura, mas tornar-se eunuco, ou seja, castrar-se parcial ou totalmente, já foi um meio de vida, uma profissão. A tradição de contratar homens castrados nos palácios e haréns vem do mundo antigo, mas atravessou o tempo e o espaço, passou por Roma e Grécia, pelos fenícios do norte da África e chegou à Europa do século 20.

Na China, os genitais eram submetidos a um tratamento para preservá-los em salmoura – como se fossem pepinos em conserva –, eram colocados numa vasilha e devolvidos ao dono, que precisava apresentá-los aos superiores no palácio, comprovando a castração. A vasilha com a genitália podia ser solicitada durante uma inspeção, ou sempre que o funcionário fosse promovido.

Com informações: GauchaZH


Deixe um Comentário