CORONAVÍRUS

Hospital Santa Catarina abre leitos semi-intensivos para grávidas com a covid-19

FOTO: DIVULGAÇÃO

Diante do atual cenário epidemiológico da covid-19 no Rio Grande do Norte, a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) inaugurou, nesta segunda-feira (19), quatro leitos na Unidade Semi-Intensiva Obstétrica do Hospital Dr. José Pedro Bezerra (Hospital Santa Catarina), localizado em Natal, destinados especificamente para gestantes e puérperas diagnosticadas e agravadas com a covid-19.

Atualmente, o Hospital Dr. José Pedro Bezerra conta com 19 leitos clínicos covid para gestantes, cinco leitos de UTI neonatal covid e, agora, contará com mais quatro leitos na Unidade de Terapia Semi-Intensiva. Entre setembro de 2020 a março de 2021, foram atendidas 2.413 gestantes com covid-19 de alto risco.

A Sesap ainda informou que, além dos quatro leitos covid-19 na unidade semi-intensiva obstétrica, há perspectiva de ampliação da UTI da unidade hospitalar. Após a pandemia, os leitos poderão ser revertidos para outras patologias e disponibilizados para o tratamento de gestantes e puérperas. Inicialmente, esse serviço contará com um médico intensivista, um enfermeiro e dois técnicos de enfermagem.

“Essa medida contribui para o fortalecimento da assistência e apoio diagnóstico do complexo obstétrico do Hospital Santa Catarina, assim como para a população da área de abrangência da unidade hospitalar estará acobertada com esse serviço assegurado”, explicou Aline Bezerra, diretora geral do Dr. José Pedro Bezerra.

O Hospital Dr. José Pedro Bezerra presta assistência direta para a população de alguns bairros da Zona Norte de Natal e dos municípios de Macaíba, São Gonçalo do Amarante e Extremoz e região de João Câmara.

Homenagem

A unidade semi-intensiva obstétrica recebeu o nome de Francisca de Assis de Souza Soares, Francisquinha, homenagem à técnica de enfermagem que fez parte do quadro de servidores do hospital e batalhou pela qualidade da assistência materno-infantil do Dr. José Pedro Bezerra, mas faleceu vítima da covid-19.


Comente aqui