Cidades

Fundase/RN tem primeiro Grupo Técnico de Intervenção para o Socioeducativo no Nordeste

FOTO: DIVULGAÇÃO

A edição desta quinta-feira (25) do Diário Oficial do Estado do Rio Grande do Norte traz a portaria que institui o Grupo Técnico de Intervenção (GTI), coordenado pelo Núcleo de Segurança Institucional da Fundação de Atendimento Socioeducativo do Rio Grande do Norte (Fundase/RN), com atuação regulada pelo Procedimento Operacional Padrão – POP. A iniciativa é pioneira entre os estados do Nordeste.

Os 18 agentes socioeducativos do primeiro GTI passaram por aulas de Capacitação em Gerenciamento de Crise e Intervenção, Atendimento Pré-hospitalar e Combate a Incêndios durante o mês de outubro e foram diplomados no dia 3 de novembro.

A organização do treinamento foi realizada pelo Núcleo de Segurança Institucional, com apoio do Grupo de Operações Especiais (GOE) da Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (Seap) e Defesa Civil, e estão em conformidade com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase).

O presidente da Fundase/RN, Herculano Campos, ressalta a importância da criação do grupo para o aperfeiçoamento dos protocolos de segurança socioeducativa.

“O GTI aponta para a tranquilidade do trabalho de todos que atuam nas unidades de atendimento, para os cuidados com a integridade física e moral de servidores e de adolescentes. Trata-se de iniciativa que consolida o Núcleo de Segurança Institucional, na perspectiva de respaldar o trabalho pedagógico e oferecer as condições de segurança necessárias ao seu bom desempenho. Na medida em que se torna mais complexa a realidade dos adolescentes que entram no sistema socioeducativo, a Fundase é desafiada a aperfeiçoar seus procedimentos e protocolos, tanto do trabalho em geral, quanto da segurança em particular”, detalha o gestor.

Em linhas gerais, cabe ao GTI a segurança da portaria e dos visitantes, acompanhamento e controle da visita de familiares, apoio ao processo de recepção de novos socioeducandos, condução e custódia, além de contenção de adolescentes em situações de crise.


Comente aqui