Cidades

Família não tinha costume de frequentar praia onde falésia desabou em Pipa, diz irmão

FOTO: REPRODUÇÃO/FACEBOOK

Hugo Pereira, Stela Souza e o pequeno Sol, de 7 meses, não passavam uma folga sem aproveitar o mar, a areia e o sol. Apesar disso, a família não tinha costume de frequentar a praia do Centro, em Pipa – um dos principais destinos turísticos do Rio Grande do Norte – onde uma falésia desabou e matou a família de forma trágica, na última terça-feira (17). Isso é o que conta o publicitário Mateus Souza, de 26 anos, irmão de Stela.

“A filosofia de vida deles era essa: a natureza, mar, plantas, sentir a areia, sentir o vento. Então, toda vez Hugo tinha folga, geralmente nas segundas, nas terças-feiras, eles iam à praia. Sempre. Não tinha uma folga que eles não fossem para a praia”, afirmou em entrevista à Inter TV Cabugi. “Mas eles não iam para essa parte da praia. Eles sempre iam para praia do Amor, para a praia das Minas, nunca iam (para a praia do Centro)”, acrescentou.

Segundo Mateus, a família estava feliz e vivia sua melhor fase. Hugo estava em um processo de ascensão profissional e havia sido contratado há poucos meses como gerente de um grande hotel. Ainda assim, mantinha uma simplicidade singular. Stela também estava feliz. De acordo com o irmão, ela vinha conseguindo conciliar os estudos, os cuidados com o bebê, o trabalho em home office e a casa. “Todos se cuidavam”.

Os três estavam morando em um hostel da família da mulher. Os familiares ajudavam com os cuidados da criança, enquanto a mãe estava ocupada com trabalho ou estudos. Sol alegrava a todos com seu sorriso pela manhã, lembra Mateus. No dia em que o deslizamento aconteceu, Stela e Hugo tomaram café da manhã com os pais dela e saíram com a criança para aproveitar a folga.

“Ninguém esperava que isso fosse acontecer. O que nos conforta é que eles estavam no lugar que eles queriam, do jeito que eles queriam, vivendo como queriam. Era a vida deles”, contou Mateus.

G1RN


Comente aqui