Polícia

“Facção folia”: em Natal, vereador Aroldo Alves nega ter colaborado para realização de suposta festa organizada por facção criminosa

VEREADOR AROLDO ALVES NEGA TER COLABORADO PARA A REALIZAÇÃO DE FESTA SUPOSTAMENTE ORGANIZADA POR FACÇÃO CRIMINOSA

O vereador Aroldo Alves (PSDB) iniciou a semana vivendo um”inferno astral”, depois de ver o seu nome e o seu mandato envolvidos como “facilitadores” de uma festa suspeita de ser uma comemoração de aniversário da facção criminosa “Sindicato do Crime”, assunto que ganhou as redes sociais e fez com que Alves se pronunciasse sobre o assunto para defender a sua inocência.  O vereador alega que o seu Gabinete pediu às autoridades autorização para a realização de uma festa infantil e não de comemoração de facção criminosa. “Nosso Gabinete na Câmara Municipal do Natal no dia 26 de março foi procurado para solicitar apoio para uma ‘Festa Infantil Comunitária’, como está protocolado nos documentos (…) fomos surpreendidos por um absurdo neste sábado (30) no Bairro Bom Pastor que seria uma festa para outras motivações, que ao chegar lá, passamos rápido e fomos embora”, diz o vereador em nota distribuída à imprensa.

O imbróglio envolvendo o vereador ganhou repercussão a partir do momento em que a Polícia Militar foi acionada  para interromper na noite de sábado, dia 30, uma festa de rua que acontecia sem autorização em Natal. A festa que estava sendo realizada com o suposto apoio do vereador ocorreu no bairro de Bom Pastor, Zona Leste da cidade.

Os organizadores do evento não tinham a documentação completa necessária para a realização das festividades, o que levou policiais militares a entrar e ação. Oficialmente, a Polícia Militar não confirma, mas há informações de que o real motivo das festas era celebrar o aniversário de uma facção criminosa que atua no Rio Grande do Norte. Ela estaria completando seis anos de existência.

No local havia muitos paredões de som e também venda de bebida alcoólica a adolescentes.

Foi justamente na festa realizada no bairro do Bom Pastor que o vereador Aroldo Alves se fazia presente e teria tentado intervir para a PM não acabar o evento, segundo relatos veiculados em grupos de WhatsApp.

Aroldo Alves se diz vítima de ‘forças ocultas’ que estão usando o episódio para tentar denegrir a sua imagem.  Veja abaixo a nota divulgada pelo vereador natalense.

“Nosso Gabinete na Câmara Municipal do Natal no dia 26 de março foi procurado para solicitar apoio para uma “Festa Infantil Comunitária”, como está protocolado nos documentos em anexo, e assim liberamos.

Fomos surpreendidos por um absurdo neste sábado (30) no Bairro Bom Pastor que seria uma festa para outras motivações, que ao chegar lá, passamos rápido e fomos embora.

Alguns estão usando o fato com interesse de denegrir nossa imagem, como se apoiassem esse absurdo. Faz duas semanas dei entrada para oficializar a Romu, a Guarda Municipal, inclusive com emendas destinadas do nosso Gabinete da Câmara, uma ação do nosso mandato. 

As pessoas que estão denegrindo nossa imagem serão acionadas pela Justiça.”

Circulou pelas redes sociais, inclusive, uma cópia de ofício que seria o pedido de autorização para a celebração. No documento, onde consta a assinatura do vereador, é solicitada a interdição de via pública para um “aniversário infantil” que seria promovido das 14h às 23h59 e que só usaria cadeiras e mesas.

 



1 Comentário

  • Esses políticos que se metem em tudo na ganância por votos deviam obedecer as leis que eles mesmos criam. 400 anos como vereador e não sabe que precisa de licença pra fazer evento de rua?
    Ou é um vereador chinfrim e não merece o mandato ou sabia exatamente o que estava fazendo e merece ser investigado pelo Ministério Público.

Deixe um Comentário