Saúde

Estudo aponta 1 morte e 131 infectados por esporotricose no RN

ESPECIALISTAS DA UFRN EXPLICAM QUE A MORTE DE HUMANOS É RARA, MAS ESTÃO PREOCUPADOS COM O AUMENTO NO NÚMERO DE PACIENTES. FOTO: CÍCERO OLIVEIRA

Uma pessoa morreu e pelo menos outras 131 já foram infectadas pela esporotricose – doença emergente provocada por fungos e transmitida por gatos – no Rio Grande do Norte desde 2016. Isso é o que indica um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Eles estão preocupados com o crescimento no número de pacientes e animais atingidos no estado.

Essa micose chegou em solo potiguar há cerca de cinco anos. Hoje, os pesquisadores alertam que o fungo, do gênero Sporothrix, tem se espalhado muito rápido por Natal e região metropolitana, principalmente Parnamirim, Extremoz e São Gonçalo. A doença também já foi encontrada em Santo Antônio.

A única morte no estado foi registrada em uma artesã de Parnamirim no ano de 2016. Ela contraiu a forma mais grave da doença, a pulmonar e, devido demora no diagnóstico, não resistiu. A probabilidade de óbito em humanos, no entanto, é baixa. Já nos animais, a esporotricose geralmente evolui para a morte, principalmente com a demora no início do tratamento.

A infectologista Evelin Pipolo, do Departamento de Infectologia da UFRN, foi responsável por diagnosticar o primeiro caso em humanos no estado, em outubro de 2016 – nos gatos, a confirmação aconteceu em 2015.

G1RN


Deixe um Comentário