Brasil

Em Manaus, polícia escolta oxigênio até hospitais e empresário foge com cilindros

AGENTES CIVIS E MILITARES APREENDERAM 33 CILINDROS. FOTO: CARLOS SOARES

O desabastecimento de oxigênio nas unidades de saúde de Manaus (AM) virou caso de polícia nessa 5ª feira (14.jan.2021). Agentes civis e militares apreenderam 33 cilindros (dos quais 26 estavam carregados com oxigênio) que eram transportados por um empresário no bairro Alvorada, região centro-oeste da capital amazonense.

De acordo com o delegado Bruno Fraga, diretor do Departamento de Polícia do Interior, os cilindros estavam em posse de um empresário de 38 anos que disse ter retirado os produtos de seu estabelecimento por temer que a população invadisse o local para roubá-lo. Ele vai responder por retenção de produtos para fim de especulação.

O estoque de oxigênio acabou em diversos hospitais de Manaus nesta semana. A situação levou à morte de pacientes por asfixia e mobilizou voluntários, convocados por médicos e enfermeiros nas redes sociais, para fazerem o revezamento na tarefa de oxigenação mecânica de pacientes. Parentes de pessoas internadas que precisam do insumo estão buscando com recursos próprios adquirir cilindros em empresas privadas.

A Polícia Militar do Amazonas passou a fazer a escolta do insumo para garantir que os cilindros cheguem às unidades de saúde. Na tarde dessa 5ª feira (14.jan), agentes de segurança acompanharam o transporte de 150 cilindros que desembarcaram no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes até a Central de Medicamentos do Amazonas. De lá, foram encaminhados para o interior do Estado (80 unidades) e para unidades hospitalares da capital (70).

O Amazonas atravessa momento de intenso recrudescimento dos casos de covid-19. Foram confirmadas 3.816 novas infecções na 5ª feira (14.jan), com 51 mortes por causa da doença notificadas nas 24 horas anteriores. Duas semanas atrás, em 31 de dezembro, esses números eram de 1.443 infectados e 24 mortes. O número atual de contágios é 17 vezes superior ao registrado no fim de novembro.

Esse aumento, de acordo com pesquisador da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), pode estar relacionado à nova variante do coronavírus Sars-Cov-2 identificado no Estado.

A alta no número de casos se reflete na taxa de ocupação dos hospitais de Manaus. Até essa 5ª feira (14.jan), 90,48% dos leitos em UTI (unidade de terapia intensiva) reservados para pacientes com covid-19 estavam ocupados (média das redes pública e privada). Para leitos clínicos, a taxa de ocupação é de 93,19%.

De acordo com o governo do Amazonas, o consumo de oxigênio no Estado mais que dobrou em relação ao início da pandemia, de março a maio. Eram 30 mil metros cúbicos por dia. Hoje, são mais de 76 mil metros cúbicos por dia.

A gestão de Wilson Lima (PSC) fez requisição administrativa para obter o estoque ou produção de oxigênio de 17 indústrias do Polo Industrial de Manaus. O instrumento, previsto na Constituição, permite que o governo utilize bens privados (com pagamento posterior) diante de um perigo público iminente.

O governo federal também oferece apoio no abastecimento de oxigênio. Na madrugada desta 6ª feira (15.jan), um avião da FAB (Força Aérea Brasileira) desembarcou com 6.000 litros de oxigênio líquido da empresa White Martins –uma das empresas que tiveram a produção requisitada administrativamente. O insumo será distribuído ainda nesta 6ª feira a hospitais de Manaus.

Poder360


Comente aqui