Mundo

Deputados aprovam regra para que pastores não preguem que homossexualidade é pecado

Ilustração

A Assembléia do Estado da Califórnia aprovou uma resolução que exige que os pastores reconheçam e aceitem a vida homossexual e deixem de pregar que essa prática é pecado. O projeto busca calar a voz da autoridade bíblica, que condena tal conduta, entre outras.

O deputado Evan Low e outros trinta parlamentares aprovaram a resolução no Comitê Judiciário da Assembléia estadual que pretende impor aos líderes religiosos da Califórnia o que eles devem pregar de seus púlpitos.

A medida foi aprovada esta semana, em parte graças à ajuda de Kevin Mannoia, capelão da Universidade de Azusa Pacífico e ex-diretor da Associação Nacional de Evangélicos.

O Liberty Counsel é uma organização sem fins lucrativos que promove litígios relacionados a valores cristãos evangélicos e foi muito criticada pela oposição ao projeto.

“É realmente decepcionante que eu deixe de lado a verdade do assunto apenas para obter algum favor, talvez um lugar na mesa dessa discussão”, disse Roger Gannam, vice-presidente de assuntos jurídicos da Liberty Counsel, lamentando que alguns líderes evangélicos relativizaram as Escrituras.

A resolução também condena o aconselhamento para atração indesejada pelo mesmo sexo ou confusão de gênero, conhecida como terapia de conversão.

Repúdio

Mais de duas dúzias de médicos, conselheiros, ex-homossexuais e outros líderes cristãos assinaram uma carta condenando a resolução, que, segundo eles, viola a liberdade religiosa.

Gannam explicou que esta resolução é ruim em todos os sentidos.

“Ele culpa a igreja e os líderes religiosos pelas altas taxas de suicídio entre os que se identificam como LGBT”, disse ele. “Isso é simplesmente uma afirmação falsa. Não pode ser apoiado empiricamente e, no entanto, esta resolução estabelece-a como se fosse um fato “.


Deixe um Comentário