Interior do RN

Construção da RN-087 muda realidade do Seridó

AS OBRAS COMEÇARAM EM MAIO DO ANO PASSADO, APÓS O GOVERNO INSTAURAR UMA VERDADEIRA FORÇA-TAREFA PARA RESOLVER OS ENTRAVES FUNDIÁRIOS. FOTO: ASSECOM

Depois de mais de 50 anos de espera, os seridoenses receberam em 2020 a RN-087, que liga os municípios de Cerro Corá e Lagoa Nova. O Governo do RN investiu R$ 8,5 milhões para construir a estrada do zero, acabando com o tráfego na via de barro que existia há anos. Através do projeto Governo Cidadão e do Departamento de Estradas de Rodagem (DER-RN), com recursos do empréstimo junto ao Banco Mundial, foram feitas a estruturação, o revestimento asfáltico, sinalização, construção do meio fio e quedas d’água.

As obras começaram em maio do ano passado, após o Governo instaurar uma verdadeira força-tarefa para resolver os entraves fundiários que existiam em torno do projeto. “Com a ajuda dos prefeitos de Cerro Corá e Lagoa Nova, Graça Oliveira e Luciano Santos, do superintendente do Incra, José Leonardo Bezerra, contactamos todos os proprietários dos 107 lotes, que autorizaram o afastamento da cerca para implantação do traçado da rodovia”, disse o secretário de Gestão de Projetos e Metas, Fernando Mineiro.

O secretário pontuou que ainda contou com a ajuda dos colegas de Governo, o diretor do DER, Manoel Marques, e do secretário de Infraestrutura (SIN), Gustavo Coelho. “Desde o início da nossa gestão estamos nessa luta, unindo forças com as secretarias do Estado para dar celeridade a este pleito que é tão necessário e tão antigo para os seridoenses. A chamada Estrada da Produção vai aquecer a economia e promover o desenvolvimento de toda a região”, disse a governadora Fátima Bezerra, confessando que a obra se trata, também, de um sonho pessoal e antigo.

Os benefícios chegaram para 27 mil pessoas de toda a região, através de 15 quilômetros de extensão da estrada. São melhorias no acesso e trafegabilidade, facilitando o escoamento da produção rural e promovendo um incremento no turismo ao redor das serras e sítios arqueológicos.


Comente aqui