Educação

Comissão de Educação da CMN rejeita novas atribuições para as escolas

A COMISSÃO REJEITOU NA REUNIÃO DESTA SEGUNDA-FEIRA (25) PROJETOS DE LEI QUE TRAZIAM MAIS OBRIGAÇÕES ÀS ESCOLAS. (FOTO: VERÔNICA MACEDO)

Adotando uma política de evitar que mais atribuições seja dadas às escolas do município, a Comissão de Educação da Câmara Municipal de Natal rejeitou na reunião desta segunda-feira (25) Projetos de Lei que traziam mais obrigações às escolas.
Foi rejeitado projeto de nº 052/18, do vereador Preto Aquino (Patriotas), que cria áreas de segurança escolar prioritária nas escolas do município. “Eu não consigo ver a viabilização de um projeto desses. Iria fatiar a cidade e colocar segurança em uma determinada área? Quem vai prover e garantir que naquela área vai, de fato, ter segurança?”, questionou o vereador Sandro Pimentel (PSOL), que relatou com parecer contrário.
Outro projeto rejeitado institui no calendário do município a Semana Municipal de Acompanhamento Psicológico e Terapêutico para crianças e adolescentes nas escolas. “Como será feito esse acompanhamento? A ideia é interessante, mas não consigo ver a operacionalização. As escolas precisam ter esse acompanhamento diário, sistemático e organizado. Estabelecer uma semana dessas, que ocorreria uma vez por mês, nesses moldes é inviável”, argumentou a relatora da matéria, vereadora Nina Souza (PDT), cujo voto foi seguido pelos demais.
A vereadora e presidente da comissão, Eleika Bezerra (PSL) diz que a comissão está adotando posição realista e defendeu que é necessário fazer a escola cumprir,  primeiro, o que é de sua natureza, para depois assumir responsabilidades acessórias. “Algumas ideias que temos visto aqui são importantes, mas não chegam a ser factíveis. A Escola tem que funcionar no que lhe é razoável, com professores, funcionários, merenda e ensinando os estudantes a ler, escrever, contar e pensar conscientemente, desenvolvendo valores, como o respeito. Não vamos arranjar mais missões que a Escola não poderá cumprir”, enfatizou.
Em contrapartida, a comissão aprovou o projeto 276/17, da vereadora Ana Paula (PSDC), que obriga a utilização do hino do município como toque de entrada e saída das escolas; e o de nº 038/18, que inclui a atividade robótica como disciplina complementar para os estudantes. “Defendi essa proposta porque entendo que a tecnologia da informação é de vital importância e Natal não poderia ficar a margem desse contexto”, argumentou o vereador Sueldo Medeiros (PHS), autor do projeto.

Deixe um Comentário