Artigo

Bolsonaro, Rogério Marinho, Ezequiel Ferreira e o jogo da sucessão estadual em 2022

FOTO: DIVULGAÇÃO

Por Joaquim Pinheiro

O presidente Jair Bolsonaro pretende eleger o maior número possível de governadores na região Nordeste nas eleições de 2022, começando pelo norte-rio-grandense Rogério Marinho, que atualmente é considerado um dos seus principais articuladores políticos e um dos ministros de maior visibilidade do governo. Rogério, é o responsável pela retomada e execução de importantes obras estruturantes no País, notadamente no Nordeste, onde o PT reinava absoluto em razão da esmola dada pelo governo Lula, que ao invés de ajudar, humilha e vicia o cidadão nordestino, recebendo sem trabalhar.

Bolsonaro tenta mudar essa realidade e delegou a missão ao norte-rio-grandense Rogério Marinho entregando-lhe o Ministério do Desenvolvimento Regional. Logicamente, essa tarefa renderá bônus eleitorais. E é isso que está ocorrendo, segundo pesquisas de opinião pública.

O PT está sendo desbancado da região Nordeste. Bolsonaro já disse que não participará das eleições municipais deste ano, mas em 2022 quer eleger vários governadores. Entre os cotados estão Rogério Marinho, no Rio Grande do Norte; Ciro Nogueira, no Piauí; e Fernando Bezerra, em Pernambuco. Onde não tiver candidatura ao Governo do Estado serão feitas composições político-eleitorais para confronto direto com a esquerda comandado pelo PT.

No Rio Grande do Norte já existe um trabalho de união de forças para derrotar o PT, tendo como principais integrantes os ministros Rogério Marinho e Fábio Faria, além do deputado federal João Maia e dezenas de prefeitos, vereadores e outras lideranças.

Especialistas entendem que a sucessão estadual passará por Ezequiel Ferreira, um político hábil e de muita capilaridade. Em função disso, o presidente da Assembleia Legislativa, que foi reeleito com quase 60 mil votos na última eleição, está sendo sondado para compor o grupo oposicionista.

Consta nas articulações que Rogério Marinho deverá ser o candidato a governador, tendo Gustavo de Carvalho ou Tomba Faria como vice, uma indicação do grupo de Ezequiel Ferreira.

O candidato a senador do sistema “bolsonarista”seria Fábio Faria ou João Maia, desde que Fábio viesse com respaldo absoluto do presidente Jair Bolsonaro, teria o seu nome com reais chances de ser o indicado.

Joaquim Pinheiro é jornalista profissional


Comente aqui