Esporte

Bolsonaro questiona usuários sobre mulheres trans em esportes femininos

TEMA QUE PROVOCA DEBATES NO BRASIL DENTRO E FORA DAS QUADRAS, MUITAS VEZES RELACIONADOS AO NOME DA JOGADORA DE VÔLEI TIFFANY. FOTO: DIVULGAÇÃO / SESI VÔLEI BAURU

O presidente Jair Bolsonaro questionou nesta segunda-feira, 13, o que seus seguidores pensam sobre a participação de mulheres transexuais em esportes femininos, tema que provoca debates no Brasil dentro e fora das quadras, muitas vezes relacionados ao nome da jogadora de vôlei Tiffany, que já teve sua participação em quadra questionada por atletas, no passado.

https://twitter.com/jairbolsonaro/status/1216826425644388357?s=20

O assunto trazido pelo presidente ganhou relevância em março do ano passado após o time de Tiffany, o Sesi-Bauru, eliminar o Sesc/RJ, da Superliga, e o técnico Bernardinho ser visto afirmando que a jogadora trans tinha movimentos masculinos.

O episódio provocou críticas ao técnico, que foi defendido por Tiffany. Ela explicou que aprendeu a jogar antes da transição e que manteve técnicas que aprendeu naquela época, o que explicaria o comentário de Bernardinho.

Além da atleta do Bauru, outros esportistas saíram em defesa de Bernardinho, entre eles a medalhista olímpica Ana Paula, que defendeu a não participação de “homens biológicos”, em esportes femininos.

“Leio que a militância a favor de trans no esporte feminino e contra as mulheres atacou Bernardinho por ele ter dito a verdade, que Tiffany tem um ataque de homem. Minoria barulhenta que quer empurrar a todo custo que sentimentos são mais importantes que fatos e biologia. Não são”, disse no Twitter.

https://twitter.com/AnaPaulaVolei/status/1110985888799035392?s=20

Em resposta, Tiffany afirmou que o comentário  da medalhista foi homofóbico e disse que Ana Paula baseava seu pensamento em “achismo”, ao contrário do Comitê Olímpico Internacional (COI), que teria estudado a anatomia humana.

O COI permite a participação de mulheres trans em esportes femininos, mas exige uma série de restrições. Essas atletas, por exemplo, precisam declarar a identidade de gênero feminina e manter nível de testosterona, hormônio masculino, dentro do nível permitido para disputas: abaixo de 10 nmol/L durante os últimos 12 meses antes de sua primeira competição, além de manter este nível durante o período de competição.

Projetos de lei

Apesar do entendimento do COI, pelo menos três propostas tramitam na Câmara atualmente determinando que o sexo biológico seja o fator determinante para um atleta entrar em uma equipe, o que proibiria a participação de mulheres trans em equipes femininas.

O tema mencionado pelo presidente foi debatido em audiência pública em 2019, que contou com a participação das atletas Tiffany e Ana Paula. Além das discussões no legislativo federal, outros 12 estados discutem o tema, segundo a Câmara.

Congresso em Foco



Deixe um Comentário