Turismo

Barra do Cunhau, no Rio Grande do Norte tem passeio no Catamarã Sambaqui

FOTO: DIVULGAÇÃO

Em Barra do Cunhau, Canguaretama, a cerca de 90km ao sul de Natal, o Catamarã Sambaqui desliza suavemente pelas águas tranquilas do Rio Cunhaú desde a sua foz, adentra o manguezal até o Meral – encontro dos Rios Curimataú e Rio da Penha e deságue do Rio Garatuba – onde cada passageiro pode respirar o ar puro que vem do oceano atlântico e desfrutar da silenciosa paz, tranquilidade e exuberância da natureza intocada que compõe esse ecossistema e que serve de berçário para diversas espécies de peixes e moradia natural de moluscos, crustáceos e aves nativas, inclusive a garça azul que sempre vem dar boas vindas aos nossos passageiros.

 No retorno à Praia de Barra do Cunhaú, vislumbra-seo vilarejo por um panorama privilegiado, fazemos uma parada para demonstração da captura artesanal do caranguejo com direito a curiosidades dessa espécie, depois segue pela margem direita do Rio Cunhaú, até a Praia da Restinga, ideal para um refrescante e relaxante banho, finalizando assim essa experiência única após 3 horas de passeio matinal.

O Passeio Pôr do Sol, exclusivo do Sambaqui, é um capítulo à parte. O Catamarã navega tranquilo, silencioso e se integra ao meio-ambiente, segue o curso do Rio Cunhaú para assistir a um Pôr do sol sem igual em meio ao manguezal, totalmente conectado com a natureza e ao cair da noite, o Sambaqui e o vilarejo denBarra do Cunhaú se iluminam oferecendo uma experiência mágica e única aos nossosnpassageiros.

A história do Sambaqui se confunde com a do seu proprietário que desde criança percorria todos esses rios Curimataú, Cunhaú, Garatuba e Rio da Penha desde o porto de Canguaretama até a Fazenda Casqueira, de propriedade da família, junto com seu pai e mais uma legião de amigos, e acreditava que o mundo precisava também viver essa experiência, de uma forma mais confortável, segura, tão silenciosa quanto antigamente mas dessa vez tendo com um novo ponto de partida, a Barra do Cunhaú.

O nome do Sambaqui, que em Tupi-guarani significa “amontoado de conchas”, foi escolhido em alusão à Fazenda Casqueira, batizada assim pelos antigos habitantes da região que ao se alimentarem dos crustáceos, mariscos e principalmente as ostras gigantes abundantes no manguezal, amontoavam suas cascas e conchas formando os casqueiros ou o depósito de conchas – os sambaquis.

A Fazenda Casqueira tem diversos hectares de mata atlântica e manguezal preservados, é referência agrícola na Região e campo de estudo e pesquisa arqueológica por toda a sua riqueza natural, histórica e cultural.

Assim, surgiu a ideia de construir um catamarã com design diferenciado e tecnologia leve e reciclável, único no Estado do Rio Grande do Norte, que firma o conceito da Empresa em oferecer um turismo de qualidade, sustentabilidade ao meio-ambiente e proporciona uma experiência ímpar e inovadora em navegação.

Nossa estrutura respeita a acessibilidade de todos, comporta confortavelmente 92 passageiros no convés inferior, com mesas ideais para petiscos e bebidas servidas à bordo e 28 passageiros no amplo sun-deck com opção de espaço livre ou com mesas e cadeiras, além de espaço de lazer à proa e popa.

Conta ainda com sistema de som para entrada usb e bluetooth, iluminação noturna e banheiros individuais masculino e feminino, bar para drinks e preparo de buffet, além de equipamento de salvatagem e segurança modernos e completos.

Barra do Cunhaú e Sambaqui é poder vivenciar uma experiência única, em uma das praias mais bonitas do Nordeste, sentindo na pele o calor desse sol o ano inteiro e os bons ventos que vêm do oceano atlântico.


Comente aqui