TV

Até o Jornal Nacional entra na onda da Black Friday para faturar mais

FOTO: SERGIO ZALIG/TV GLOBO

Um anúncio de 60 segundos no horário do ‘Jornal Nacional’ custa cerca de R$ 1,8 milhão. Na quinta-feira (25), o telejornal teve um intervalo extra, justamente de 1 minuto, para um anúncio de Black Friday do Magalu.

Na volta ao estúdio, a âncora Renata Vasconcellos chamou uma matéria sobre o quê? A temporada de Black Friday, obviamente. Uma abordagem positiva ao longo de 4 minutos.

A ética jornalística não permite, na teoria, privilegiar editorialmente um anunciante. Na prática, isso acontece em jornais, revistas, rádios, TVs e portais de notícias em nome da sobrevivência do negócio.

Na matéria, a repórter Elaine Bast ouviu consumidores entusiasmados e representantes de dois grandes varejistas que também anunciam na Globo, Casas Bahia e Amazon Brasil.

Logo após, novo intervalo, e lá estava o ex-BBB Gil do Vigor promovendo a Black Friday das Casas Bahia. Na sequência, outros comerciais do gênero. Um deles da Shoptime, com Adriane Galisteu, estrela da concorrente Record TV.

A semana com supostos descontos incríveis faz bem ao faturamento da televisão em geral e, especialmente, para o ‘Jornal Nacional’. Recentemente, o departamento comercial da Globo criou novas opções para marcas anunciarem nos intervalos do telejornal líder em audiência.

É possível, por exemplo, comprar a visibilidade na vinheta de oferecimento por curto período. A plataforma de vídeos TikTok fez isso entre junho e julho, com boa repercussão na imprensa e nas redes sociais.

Produzir jornalismo de qualidade custa muito caro. A busca de mais faturamento na faixa do ‘Jornal Nacional’ é compreensível. Afinal, a sobrevivência do negócio precisa ser garantida.

Terra


Comente aqui