Artigo

Artigo: Se você é conservador, reaja!

FOTO: DIVULGAÇÃO

POR General Girão

Há determinados momentos da nossa vida em que temos de tomar atitudes, em especial em situações como a atual, quando as notícias em geral nos deixam perplexos, incrédulos e desmotivados, em especial com a tradicional mídia, que ao invés de informar passou a militar!

Historicamente, na formação de nossa república, marcada por lutas internas, ou mesmo intestinas, o Brasil foi forjado com muito sangue, suor e lágrimas, numa postura sempre altiva, porém firme, alicerçada em princípios e valores em todos os espectros, que reverberou, também, na formação das instituições sociais e políticas, se assomando à pujança e alegria de um povo que, unido em um território de dimensões continentais de riquezas sem igual, passou a observar um desmantelo em prol de um projeto de poder.

Quando se trata de projetos de poder, tomadas de poder, o primeiro passo é dividir e na presente situação é dividir o que o nosso país tem de melhor, seu povo, visto que por mais diferentes que sejamos, sempre que a nossa soberania foi atacada, os nossos filhos da luta não fugiram. Mas atualmente devemos lutar por quem? Para quem? Por quê?

As eleições de 2018 demonstraram uma insatisfação da população com os caminhos que estavam sendo trilhados pelos partidos que se alternavam no poder sobre uma falsa dicotomia de ideias, onde observou a construção de um sistema no âmbito dos poderes da república, bem como na sua estrutura federativa, onde, por meio do voto 58 milhões de brasileiros elegeram o Presidente Jair Bolsonaro para tomar as ações e fim de corrigir os rumos do País.

Acontece que os tentáculos do sistema, a todo tempo, sufocam qualquer tentativa de mudança, principalmente aquelas que não objetivem a permanência dos derrotados nas urnas e suas pautas, de maneira que a sanha pelo poder e ataques ao ordenamento jurídico e ao estado de direito por setores da classe política, judiciária e mídia só tem um objetivo: sepultar o pensamento conservador no Brasil.

Na “melhor” perspectiva Maquiaveliana (Nicolau Maquiavel – 1469 a 1527), o que temos são ataques desenfreados e desarrazoados à nova realidade política brasileira, onde aqueles que não aceitaram, tampouco entenderam o resultados das urnas tentam a todo tempo deslegitimar a figura de um presidente eleito pelas vias democráticas e suas ideias, criando narrativas, desqualificando pensamentos e ideais conservadores em prol daquilo que eles acreditam que deve ser feito, pois para eles “os fins justificam os meios”. Se, assim como nós, você acredita que isso não cabe mais em pleno século XXI, então reaja!

A despeito do poder executivo, observamos que em âmbito legislativo, onde muitos de seus representantes vieram a reboque da ideia de mudanças, alinhamentos ideológicos e morais propagados em campanha pelo Presidente Jair Bolsonaro, não seguiram a ideia do poder executivo, seja por pretensões individuais, seja pela rigidez do sistema e sua capacidade de cooptação.

Na linha vertical federativa observamos que muitos membros dos poderes Executivos Estaduais, que outrora se alinharam com a ideia conservadora a fim de tão somente se eleger, ora se alinha com políticos de uma esquerda sabidamente corrupta, socialista (não é redundância), se alinham a países nada democráticos tão somente para fomentar a quebra da ordem democrática, com alianças cada vez mais espúrias, tão somente chancelado a falsa alternância no poder. Não custa nada lembrar: “Os fins justificam os meios”!

O Estado de São Paulo, mais rico da nossa nação, oligarquia tucana e a maioria dos Estados da região Nordeste, hoje se ombreiam com um objetivo, seguindo a cartilha do Foro de São Paulo, hoje reorganizadp como GRUPO DE PUEBLA, o maior responsável por essa inversão de valores das últimas três décadas, que é destruir as estruturas conservadoras do Estado brasileiro com um único objetivo: Perpetuação no poder pelo próprio poder!

No caso do Poder Judiciário, se observa nesse o maior alcance dos tentáculos do sistema, onde “os amigos dos amigos do meu pai” passaram a invadir competências dos demais poderes da república, inovando em decisões cada vez mais frágeis a fim de proteger o sistema, fazendo, acreditem, até com que o passado mude no Brasil, resultando numa instabilidade jurídica sem precedentes em nosso país. Se você não concorda, então reaja!

A reação desses derrotados às mudanças propostas pelo Presidente Jair Bolsonaro e o pensamento conservador de direita foi imediata. Cada vez mais se observa o Poder Judiciário, anulando medidas administrativas propostas pelo poder executivo que mudariam drasticamente a forma de agir do estado brasileiro, provocados, exatamente, pelos derrotados e que tentam de todas as maneiras manter sua pauta que alimenta o sistema. De fato, ações judiciais junto ao STF, cerca de 170 intervenções indevidas caracterizam que a votade popular de 58 milhões de brasileiros que disseram não a agenda progressista, está sendo desrespeitada.

Se o judiciário se sobrepõe ao poder executivo, o Estado do Direito está sendo rompido por quem tem o dever constitucional de preservá-lo.

Por sua vez observou-se à postura de um presidente do poder legislativo que “sentou em cima” das grandes propostas de diminuição do Estado, implantando um parlamento às avessas no Brasil. Este cerceamento deliberado da vontade do Chefe do Executivo, permitido por interpretações cada vez menos republicanas da nossa Constituição federal, deixa clara a necessidade de uma reação por parte dos defensores da ordem democrática e do pensamento conservador.

É ressoar politicamente o que as urnas e as ruas gritaram, e ainda gritam. Isto é uma reação popular e ações ordeiras em combate ao mecanismo e aos desmandos implantados ao logo de mais de 30 anos de governos que vieram como o principal propósito de matar a brasilidade que nos é peculiar com ideias que em nada se assemelham ao jeito brasileiro de ser.

Se você não concorda com o que está ocorrendo, deve sair de sua zona de conforto. Então reaja!

Vamos aos fatos:

1.            Se você é a favor da defesa de valores, como a liberdade e a ordem, com destaques para a liberdade política e econômica e a ordem social, então reaja! Não podemos continuar tendo nosso direito de ir e vir cerceado por atitudes nada comprovadamente científica de fechamento de cidades e empresas por governantes nada republicanos e muito menos democratas. Reaja!

2.            Estamos observando quase uma divisão interna, onde grupos de pessoas se esqueceram de nossas cores, são aquelas da nossa Bandeira: verde, amarela, azul e branca. Se você é a favor do patriotismo — sentimento que caracteriza a força propulsora de uma Nação, seus valores, sua cultura e suas tradições, então reaja!

3.            Se você é a favor de que a família precisa ser fortalecida e cobrada na educação de seus filhos, então reaja!

4.            Seja contra o aborto, se você é a favor da vida, desde a concepção, então reaja!

5.            Admita que você tenha o direito de defender sua família e seus bens de uma violência que o Estado não consegue conter. Merece destaque o que consta na letra da constituição Federal, em seu artigo 144: “Segurança pública é dever do Estado, mas direito e responsabilidade de todos”. Se você é a favor do direito de propriedade, então reaja!

6.            Não podemos continuar aceitando que esses espaços nobres continuem sendo usados como centros de formação político- ideológica de cunho socialista, que nada se assemelham à nossa cultura. Se você considera que o papel da escola é promover o estímulo ao ensino, procurando atender às necessidades das cidades e do País, então reaja!

7.            Se você valoriza a pluralidade religiosa e o respeito à liberdade de crença, reconhecendo a contribuição civilizacional da cultura judaico- cristã em nosso País, então reaja!

8.            Ações oriundas de membros do Poder Judiciário que causam riscos à segurança jurídica e liberdade em sua essência maior. Se você é a favor da promoção da liberdade civil, em todos os seus mais amplos sentidos, com destaque para a liberdade de expressão, e a liberdade de imprensa, sempre admitindo as correlatas responsabilidades, então reaja!

9.            Os Sindicatos de trabalhadores do serviço público, de uma forma quase geral, querem a manutenção de um estado empregador e atrapalhador, tudo dentro de um corporativismo sem nexo para os dias atuais. Se você defende a desestatização da economia, dando liberdade à iniciativa privada, mantendo o papel do Estado como regulador e coordenador das ações estratégicas, então reaja!

10.          Medidas rigorosas precisam ser adotadas para que a Justiça seja feita e os acórdãos jurídicos deixem de existir e que as Cortes sejam todas respeitadas. A sociedade não suporta mais a interferência danosa do Supremo Tribunal Federal anulando julgamentos e delações, tudo para proteger quem resolveu agir à margem das Leis. Se você é a favor do combate às organizações criminosas, à corrupção e à impunidade, em caráter permanente e integrado, de modo a evitar e corrigir os abalos estruturais que esses ilícitos estão trazendo para a família e para a sociedade, então reaja!

Ao final, se você concordou com nosso chamamento você se enquadra como um cidadão ou cidadã conservadora e, está tendo seu direito ameaçado, então reaja! Esse é o princípio básico da natureza humana, desde a criação do mundo: como cristãos temos nossa fé no Criador do Universo, que nos concedeu desde o princípio, o direito de decidir entre o bem e o mal. Então, se você é a favor do lado do bem, então reaja! Não podemos deixar o mal vencer essa batalha.

A decisão é sua: mas, reaja!

“Grandes mentes discutem ideias; mentes medianas discutem eventos; e mentes pequenas discutem pessoas”. (Anna Eleanor Roosevelt)

Mossoró/RN, 30 de Outubro de 2021

General Girão

Deputado Federal do RN


1 Comentário

  • Traduzindo o recado: se você é reacionário, conserve. Isto mesmo, eleitor-freguês potiguar: em 2022 conserve o General Girão “empregado” na Câmara dos Deputados.
    Muito pobrezinho, nem mesmo a família ele teve condições de trazer para morar no RN, pois não tinha dinheiro para fazer a mudança do Ceará para cá.

Comente aqui