Geral

Apenas 115 escolas atingem nível mais alto na nota da redação do Enem

APENAS 115 ESCOLAS MÉDIA IGUAL OU SUPERIOR A 800 PONTOS

Apenas 115 escolas de quase 15 mil em todo país tiveram média igual ou superior a 800 pontos na redação no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2015. Dessas, a maior parte é particular e quatro são públicas. Os dados do Enem por Escola foram divulgados hoje (4) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

A nota é equivalente ao nível 5, o mais alto de proficiência calculada para os estudantes. Nessas escolas, mais da metade dos alunos está nesse nível, ou seja, eles obtiveram uma nota acima de 800 na prova – a nota da redação vai até mil pontos. Apenas uma das escolas têm 45,45% dos estudantes no nível 5, o Instituto Presbiteriano Gammon, em Guanhães (MG). A maior porcentagem, 94,12%, é do Instituto Educacional São José – Unidade Mocambinho, em Teresina.

Redação é a única prova subjetiva do Enem. As demais – linguagens, matemática, ciências humanas e ciências da natureza – são de múltipla escolha. A prova avalia os estudantes quanto ao domínio da escrita formal e capacidade de organizar e interpretar informações, entre outras competências.

Das quatro escolas públicas com médias acima de 800 em redação, quatro são federais: Colégio de Aplicação do Centro de Educação da Universidade Federal de Pernambuco, em Recife; Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Viçosa, em Viçosa (MG) e Colégio Politécnico da Universidade Federal de Santa Maria, em Santa Maria (RS). A única escola estadual é a pernambucana Escola de Aplicação do Recife, vinculada à Universidade de Pernambuco (UPE).

“A redação é o elemento, na minha opinião, mais interessante do Enem. Comprova dois fatores fundamentais para a emancipação do indivíduo, o repertório e a capacidade de argumentação”, analisa o coordenador-geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara. “As escolas públicas detêm 80% das matrículas, o número [com maiores notas] deveria ser maior”.

Agência Brasil


Comente aqui