Geral

Ainda não acabou… “guerra de listas” no PSL deve continuar

SEGUNDO O DEPUTADO JÚNIOR BOZELLA, HOUVE QUEBRA DE ACORDO DA ALA BOLSONARISTA PARA NOMEAR EDUARDO BOLSONARO E DERRUBAR WALDIR

O deputado Júnior Bozella (PSL-SP), que tem atuado como primeiro porta-voz informal da ala de apoio ao presidente do partido, Luciano Bivar, afirmou em entrevista ao Poder360 que havia um acordo com o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, para pacificar o partido nesta segunda-feira, 21. A lista de bolsonaristas que transformou Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) em líder da legenda na Câmara teria quebrado o pacto.

Agora, a guerra de listas pela liderança da sigla foi retomada. Desde a 1ª lista, que alçou o filho 03 do presidente Jair Bolsonaro ao posto de líder, mais duas já foram protocoladas.

A que vale é a última que for registrada e contar com, no mínimo, 27 assinaturas de integrantes do partido. A última de que se tem notícia pede, mais uma vez, Eduardo líder. É a 3ª somente nesta segunda.

Segundo Bozella, a proposta de Ramos a Bivar feita nesta manhã seria a de pacificar a sigla indicando um nome diferente do até então líder do partido na Câmara, Delegado Waldir (PSL-GO), e de Eduardo. Bivar teria aceitado. Contudo, pouco tempo depois, a 1ª lista dos bolsonaristas foi divulgada.

O deputado explica que isso motivou o revide da ala bivarista, que protocolou a nova lista pedindo Waldir – ação que já foi rebatida com nova lista pró-Eduardo. As listas ainda estão em fase de conferência de assinaturas, etapa na qual a Mesa Diretora da Câmara compara as assinaturas com as que constam no registro de cada deputado.

A ideia agora, de acordo com Bozella, é retomar o processo de suspensão contra deputados que apoiaram Eduardo. As punições a 5 deputados da legenda foram anunciadas na última sext-feira, 18, mas foram revogadas assim que Waldir decidiu entregar o cargo, neste início de semana.

Os nomes que seriam inicialmente suspensos são: Alê Silva (MG)Aline Sleutjes (PR)Bibo Nunes (RS)Carla Zambelli (SP) e Carlos Jordy (RJ). Uma vez suspensos, os congressistas perdem o direito, por exemplo, de participarem de comissões da Casa. Suas assinaturas, em tese, não valem para pedidos como os de troca de liderança por exemplo.

Bozella diz que, passada a temporada de punições, o partido deve escolher um nome para a liderança da Câmara que seja de consenso, sem ser o do Delegado Waldir ou o de Eduardo Bolsonaro. Já a ala bolsonarista afirma que irá prosseguir com as listas para colocar Eduardo como líder. O deputado Filipe Barros (PSL-PR) publicou em seu Twitter que irão colocar quantas listas forem necessárias para alcançarem seu objetivo.

Poder360


Deixe um Comentário