CORONAVÍRUS

A pandemia se mantém em desaceleração no Brasil. No RN e em Natal a redução se acelera

FOTO: ILUSTRAÇÃO

Na vigésima primeira semana de monitoramento, 32ª semana epidemiológica, apresentamos os gráficos e a análise da evolução da COVID-19, no Brasil, no RN e em Natal, elaborados pelo engenheiro Henrique Santana, com base em dados oficiais publicados pelo Ministério da Saúde (https://covid.saude.gov.br/) e pelo LAIS/UFRN/SESAP (https://covid.lais.ufrn.br/). Semanalmente são atualizados os números que originam esses gráficos, com o registro dos casos diferidos incluídos nas datas de suas ocorrências.

No Brasil, com as correções nas semanas anteriores detectou-se um leve acréscimo de 3% entre 6 e 13 de outubro no número de novos infectados. Nessa semana, os dados mostram um retorno a desaceleração, com redução de 25% nos últimos 7 dias. Quanto ao número médio de óbitos causados pela COVID-19, os valores decrescem pela 4ª semana seguidas, com -23% e -27% em relação aos últimos 7 e 14 dias, respectivamente. Nesta semana a média móvel foi de 501 novos óbitos diários.

FOTO: REPRODUÇÃO
FOTO: REPRODUÇÃO

No RN, a queda nos valores de novos infectados pelo coronavírus se acelerou. Nos últimos 7 dias tivemos uma variação de -90%, passando de uma média diária que persistia em se manter próximo a 200 casos, alternando aumentos e reduções semanais, para 22 casos diários médios nesse último período. Quanto ao número médio móvel de óbitos diários, a redução se mantém pela 4ª semana, com -58% nos últimos 7 dias.

FOTO: REPRODUÇÃO
FOTO: REPRODUÇÃO

Em Natal, a redução nos números de novos casos de contaminados pelo SARS-CoV-2 também se acelera. Esta semana houve um decréscimo de 88%, passando de uma média diária de 49 casos para apenas 6 novos casos. Quanto a óbitos, o estágio epidêmico reduzido se confirma estável, quando poucos ou nenhum caso diário ocorre. Estamos há 5 semanas com média diária abaixo de 1,0 caso.

FOTO: REPRODUÇÃO
FOTO: REPRODUÇÃO

1 Comentário

  • Notícia que certamente está tirando o sono de muitos gestores que estavam apostando na continuidade desse quadro sinistro, para poderem comprar mais respiradores e depois … simplesmente informarem “LEVAMOS UM CALOTE”.

Comente aqui