Saúde

Rio Grande do Norte é selecionado para participar de projeto federal de combate à sífilis

Dois municípios do Rio Grande do Norte foram selecionados para participar do projeto “Resposta Rápida à Sífilis nas Redes de Atenção”. A estratégia, que tem por objetivo conter o avanço da sífilis no país, trará um aporte financeiro de 200 milhões de reais para os 100 municípios envolvidos em todo o país. De acordo com critérios epidemiológicos, no RN estão participando Natal e Parnamirim. Para acompanhar o desenvolvimento das ações em âmbito local uma servidora da Área Técnica de Saúde da Mulher da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) foi selecionada.

A enfermeira Chyrly Moura é especialista em Gestão das Políticas de IST, AIDS e Hepatites Virais e foi designada através do edital publicado pelo Laboratório de Inovações Tecnológicas em Saúde (LAIS) do Hospital Universitário Onofre Lopes (UFRN). A representante da Sesap atuará nos territórios oferecendo apoio para a gestão e equipes locais para o fortalecimento das ações voltadas a prevenção e tratamento da doença nas redes de atenção.

A estratégia de cooperação técnica envolve o Ministério da Saúde, Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte e a Organização Panamericana da Saúde (OPAS). Contará com o montante de R$ 200 milhões para utilização pelo MS em ações de resposta rápida à sífilis, sendo R$ 150 milhões para despesas de custeio e R$ 50 milhões para despesas de capital.

O projeto concentra quatro eixos: Vigilância, com a ampliação de Comitês para investigação da transmissão vertical (da mãe para o bebê) e o fortalecimento das Salas de Situação para o monitoramento da situação epidemiológica; Gestão e Governança, com o fortalecimento de ações intersetoriais no território; Cuidado Integral, com a implementação de linhas de cuidado para a sífilis e intervenção em populações-chave; e, Educomunicação, que visa a realização de Campanhas Educativas e o desenvolvimento de estudos e pesquisas voltados para o enfrentamento e monitoramento da doença.

Acompanhem o projeto nas redes sociais: instagram (@sifilisnao) e Facebook (facebook.com/sifilisnao).


Deixe um Comentário