Últimas do FM

Variedades

Livro “Acari, anos 40” será lançado pelo economista Ivanaldo Bezerra dia 13 de abril

O LANÇAMENTO SERÁ NA LIVRARIA SARAIVA, NO TERCEIRO PISO DO MIDWAY MALL.

O LANÇAMENTO SERÁ NA LIVRARIA SARAIVA, NO TERCEIRO PISO DO MIDWAY MALL.

 

O economista Ivanaldo Bezerra de Araújo Galvão, consultor de empresas e ex-secretário de Estado do Turismo do Rio Grande do Norte, lançará o livro “ACARI, ANOS QUARENTA – Minha Raiz. Meu Berço. Minha Referência”, em solenidade no próximo dia 13 abril, quarta-feira, a partir das 19 horas, na Livraria Saraiva, no terceiro piso do MIDWAY MALL.

São reminiscências de uma infância feliz passada na cidade de Acari e na fazenda dos seus pais, com relatos intimistas e verdadeiros, sobre pessoas, coisas, fatos e costumes, pintando um quadro provinciano e tranquilo, em contraste com a violência e barbárie que grassavam no mundo, no mesmo período, em plena Segunda Guerra Mundial.

A família e os tipos marcantes daquela época adquirem com o avançar dos relatos, uma dimensão humana muito especial, levando o leitor a se envolver emocionalmente com os personagens à medida que os seus perfis são realçados, na abordagem carinhosa do autor.

São também registrados no livro aspectos sociais, econômicos e ambientais do semiárido nordestino e do Seridó, particularmente, face ao fenômeno das secas mais prolongadas, com a cultura do algodão consorciada com a lavoura de subsistência, a pecuária incipiente de corte e de leite, e a açudagem como única forma de dessedentar pessoas e rebanhos, nos períodos da estiagem.

O médico e escritor Dr. Paulo de Balá Bezerra, prefaciador do livro escreve em seu último parágrafo:

“Todo aquele mundo Ivanaldo Bezerra de Araújo Galvão viveu e anotou nas páginas virgens de sua memória, a inteiração de todo um sistema trazido de longe e cravado no sertão no qual a ajuda mútua e solidária despontava como princípio pétreo, burilando lenta e gradativamente a sua personalidade, a maneira de discernir entre o correto e o errado, de reconhecer a verdade e o sentimento equilibrado de analisar os fatos em todas as suas nuances, com palavras simples. Foi além dos limites da sua terra para alargar seus conhecimentos, amadurecendo suas qualidades de homem reto, trabalhador e íntegro sem jamais esquecer a sua origem. Amadurecido firmou o caráter e alcançando postos de mando, se houve em retilínea atividade, de mãos limpas e cabeça erguida.

Ao ilustre filho, pelo importante livro, o Acari agradece”.

Política

60% dos deputados são favoráveis ao impeachment, diz pesquisa Datafolha

DILMA TEM 10 VEZES MAIS VOTOS DO QUE O SEGUNDO COLOCADO DO RANKING (FOTO: PEDRO LADEIRA/FOLHAPRESS)

A PREVISÃO É DE QUE A VOTAÇÃO DO IMPEACHMENT DA PRESIDENTE DILMA NA CÂMARA ACONTEÇA NOS DIAS 15, 16 E 17 DE ABRIL.(FOTO: PEDRO LADEIRA/FOLHAPRESS)

Pesquisa do instituto Datafolha, publicada nesta sexta-feira , afirma que 60% dos deputados federais são favoráveis ao impeachment da presidente Dilma Rousseff. Segundo o Datafolha, esse índice representa 308 dos 513 deputados. Para que o imepachment seja aprovado na Câmara, são necessários 342 votos.

A pesquisa também apurou que 21% dos deputados declararam voto contrário à saída da presidente, o que representa 108 votos a favor de Dilma. Para se livrar do processo, a presidente precisa de 172 votos.Os deputados indecisos, de acordo com o Datafolha, são 18% da Câmara. Esses votos decidirão o destino de Dilma.

G1 DF


Geral

Gargalheiras recebe volume e já pode abastecer Acari

POR CAUSA DO BAIXO VOLUME, A CAERN JÁ NAO UTILIZAVA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DESDE SETEMBRO DE 2015. (FOTO: CANINDÉ SOARES)

POR CAUSA DO BAIXO VOLUME, A CAERN JÁ NAO UTILIZAVA ÁGUA PARA A POPULAÇÃO DESDE SETEMBRO DE 2015. (FOTO: CANINDÉ SOARES)

 

As recentes chuvas que caíram no estado trouxeram um pouco mais de esperança ao potiguar. Alguns reservatórios que estavam completamente secos receberam alguma recarga e foi possível ter uma sobrevida para seus usos. Um deles foi a Barragem Eurico Gaspar Dutra, também conhecida como Gargalheiras, em Acari no Seridó.

De acordo com o último levantamento realizado pelo Instituto de Gestão de Águas do Estado do Rio Grande do Norte (IGARN), no dia 07/04 o reservatório recebeu 1.286.396 metros cúbicos nos últimos dias. Comparando com o levantamento do dia 21/03 o reservatório teve um aumento de 2,89% em sua capacidade, visto que ele tinha Naquela data apenas 0,02%. Uma reserva de apenas 9.755 metros cúbicos hoje já tem o volume de 1.296.151 m³.

Devido à baixa quantidade a Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) não usava a água do reservatório para abastecer a população de 11.012 habitantes da cidade de Acari desde setembro de 2015.Todavia, após análise do IGARN já existe a previsão de que em 15 dias a Caern já esteja liberada para usar o recurso hídrico do reservatório para o uso humano daquela cidade.

Outra notícia também animadora é que o Açude Dourado, localizado em Currais Novos, que estava seco, após as recentes precipitações já tem 50,50% de seu volume restabelecido, faltando 1,6 metros para a sua sangria. Ao transbordar as águas do Açude Dourado seguem para o reservatório de Gargalheiras, e dessa forma, aumentando ainda mais o volume existente na barragem. 

Geral

Tribunal de Contas determina ressarcimento de R$ 4,3 milhões desviados da Fundação José Augusto

TCE-RN ENCONTROU IRREGULARIDADES NA REALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA, PRINCIPALMENTE NA CONSTRUÇÃO DE CASAS DE CULTURA DO RN

TCE-RN ENCONTROU IRREGULARIDADES NA REALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA, PRINCIPALMENTE NA CONSTRUÇÃO DE CASAS DE CULTURA DO RN

O Tribunal de Contas do Estado (TCE/RN) determinou nesta quinta-feira (07), o ressarcimento ao erário de R$  4.317.413,82 por irregularidades detectadas na execução de projetos culturais na Fundação José Augusto. Foram condenados os ordenadores de despesa da FJA nos anos de 2003 a 2006, entre eles o então presidente François Silvestre, diretores e coordenadores financeiros e administrativos, coordenador de obras e outros servidores, além de empresas prestadoras de serviços.

A equipe técnica da Diretoria de Administração Indireta do Tribunal de Contas encontrou irregularidades na realização de serviços de engenharia, principalmente na construção de Casas de Cultura; contratação de apresentações musicais cuja realização não foi comprovada; e não comprovação da destinação de passagens aéreas.

Em relação aos serviços e obras de engenharia, a equipe técnica do TCE identificou a utilização irregular de R$ 2.172.580,40, a partir de “práticas que se materializaram predominantemente no pagamento por serviços não executados ou valores pagos em quantitativos maior que o devido, ou, ainda, de compra de materiais sem identificação de sua destinação, além de constatado casos pontuais de superfaturamento de preços”. Fazem parte da lista de obras com problemas a construção de 13 casas de cultura e obras no Teatro de Cultura Popular, Teatro Alberto Maranhão, Forte dos Reis Magos, Mercado Público de Martins e no próprio prédio da Fundação José Augusto.

Entre os problemas encontrados,consta ainda o pagamento, na Casa de Cultura de Lajes, por 527 pontos elétricos, quando o prédio só possui 276 pontos; a revisão de assoalho na Casa de Cultura de Caicó numa área de 408 metros quadrados, quando o prédio só possui 220 metros quadrados; na Casa de Cultura de Macau, onde o prédio tem 600 metros quadrados, foram pagos 1.150 metros quadrados de cobertura. Além disso, o reboco da Casa de Cultura de Santa Cruz custou R$ 200 o metro quadrado enquanto que o preço de referência é R$ 15,60.

O pagamento por apresentações culturais cuja realização não foi comprovada consumiram R$ 2,134 milhões. A maior parte desse valor diz respeito ao que ficou conhecido popularmente como “foliaduto”. A Fundação José Augusto contratou 11 apresentações musicais a serem realizadas em dezembro de 2005, 21 apresentações de bandas e músicos durante o carnaval de 2006 em municípios do RN e 40 grupos musicais para os festejos juninos em Natal.

“Registrou-se, ainda, que não houve o detalhamento das apresentações musicais contratadas, não constando a identificação dos grupos musicais, datas ou locais dos eventos”, aponta o relator no seu voto. Para Jales, não há dúvidas sobre a caracterização do dano erário. “A imputação de dano ao erário apresentada pela equipe de inspeção está fundamentada em firmes elementos de convicção”, ressaltou.

Devem ressarcir os danos ao erário, de maneira solidária, os gestores da FJA à época François Silvestre de Alencar, José Antônio da Câmara Filho, Laércio Bezerra de Melo, Ione Bezerra da Cunha, Cícero Duarte da Costa e Sérgio Wiclife Borges de Paiva, além das empresas ACDLIS, Construtora Aurora Ltda., BASE Construções, Serviços e Projetos Ltda., I&M Construções Ltda., Construções e Empreendimentos Mercantis, Melo Construções Ltda., M.A. Produções e Eventos, e Super Star Promoções e Eventos.