Últimas do FM

Polícia

Uma mulher é violentada a cada 11 minutos no Brasil

NO BRASIL, 47,6 MIL MULHERES FORAM ESTUPRADAS EM 2014

NO BRASIL, 47,6 MIL MULHERES FORAM ESTUPRADAS EM 2014

O estupro coletivo que aconteceu no Rio nesta semana é “o caso mais grave já ocorrido no Brasil”, afirmou Samira Bueno, cientista social e diretora executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), organização não governamental (ONG) que formula análises e pesquisa as estatísticas sobre a violência no País.

A especialista lembra que, até então, o episódio mais chocante havia sido o das quatro meninas do Piauí. No caso carioca, disse Samira, além da quantidade de agressores, choca o fato de nenhum dos envolvidos ter tentado impedir a violência e “ainda terem postado o vídeo nas redes, se orgulhando do que fizeram”.

“O que chama a atenção é a brutalidade em pensar que mais de 30 homens estupraram a adolescente e nenhum deles, em momento algum, tentou impedir”, disse ela, que ressalta ainda o aspecto cultural da violência. “O estupro está vinculado à cultura machista e misógina, que entende que os homens têm direito de ferir a mulher.”

As estatísticas das Secretarias de Segurança Pública de todo País, reunidas pelo FBSP, mostram que mulheres de diferentes classes e raças são violentadas, “embora as negras sejam as principais vítimas letais”, segundo a cientista social. A vítima do estupro coletivo não é negra.

Uma mulher é estuprada no Brasil a cada 11 minutos, segundo estatística recolhida pela FBSP. Como apenas de 30% a 35% dos casos são registrados, é possível que a relação seja “de um estupro a cada minuto”, de acordo com Samira. Ao todo, no Brasil, 47,6 mil mulheres foram estupradas em 2014, última estatística divulgada. No Estado do Rio, foram 5,7 mil casos.

Dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), órgão vinculado à Secretaria de Segurança do Estado, revelam 507 queixas de estupro na cidade do Rio, neste ano. O número é 24% inferior ao de igual período (janeiro a maio) de 2015, quando houve 670 registros. Na região da 28.ª Delegacia de Polícia, que inclui a Praça Seca, onde aconteceu o estupro coletivo, foram registrados 20 casos em 2016.

Redes

Na quinta-feira, 26, as redes sociais foram inundadas de campanhas contra a violência sexual contra mulheres. Fotos de perfis foram cobertas com as frases “Precisamos falar sobre a cultura do estupro” e “Eu luto pelo fim da cultura do estupro”. Em outra campanha, a imagem de uma mulher sangrando, pendurada como Jesus à cruz, era disseminada nas redes. Usuários ainda compartilharam mensagens como “Não foram 30 contra 1, foram 30 contra todas. Exigimos justiça!”.

Agência Estado


Cidades

EMPARN promove Dia de Campo sobre algodão colorido

A Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN) vai promover na próxima terça-feira (31) um Dia de Campo sobre algodão colorido. O evento, realizado em parceria com a Associação de Produtores de Lajes, é voltado para agricultores familiares da região. Representando a empresa, estarão presentes o Diretor Presidente Alexandre de Medeiros Wanderley e o pesquisador Aldo Arnaldo de Medeiros.

A programação começará às 9h, com uma reunião na Câmara de Vereadores de Lajes, onde o pesquisador Gilvan Alves Ramos, da Embrapa Algodão, vai proferir palestra sobre “A cadeia comercial do algodão colorido” e tirar dúvidas dos produtores. Na sequência, todos os participantes seguirão para a Fazenda Santa Luzia, em Angicos, para visitar um plantio da cultura.

O algodão colorido se configura como boa opção de emprego e renda na agricultura familiar do Rio Grande do Norte, pois tem uma rentabilidade cerca de 30% maior sobre o algodão branco.


Política

‘Renan, o senhor dos anéis, deve cair’, reage Delcídio

DELCÍDIO AMARAL (ESQ) E RENAN CALHEIROS (DIR). (FOTO: ESTADÃO)

DELCÍDIO AMARAL (ESQ) E RENAN CALHEIROS (DIR). (FOTO: ESTADÃO)

O senador cassado Delcídio Amaral (ex-PT/MS) defendeu nesta quinta-feira, 26, a saída do presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB/AL). “O Renan, como o Eduardo Cunha (presidente afastado da Câmara), deve sair urgentemente. Ele deve cair. Renan é o senhor dos anéis, faz o que quer, manipula tudo, usurpa.”

Delcídio partiu para o ataque e pediu a cabeça do presidente do Congresso depois da divulgação do áudio em que Renan conversa com ‘Vandenbergue’ sobre o processo de cassação do ex-petista.

Os investigadores suspeitam que o interlocutor de Renan é Vandenbergue Sobreira Machado, que é da diretoria de Assessoria Legislativa da CBF, foi chefe de gabinete do ex-ministro Marco Maciel (Educação/Governo Sarney) e é muito ligado ao PMDB e ao senador.

No diálogo, Renan diz a Vandenbergue que Delcídio ‘tem que fazer… Fazer uma carta, submeter a várias pessoas, fazer uma coisa humilde… Que já pagou um preço pelo que fez, foi preso tantos dias… Família pagou… A mulher pagou…’

Vandenbergue respondeu. “Ele (Delcídio) só vai entregar à comissão (Conselho de Ética), fazer essa carta e vai embora’.

O teor da conversa entre Renan e Vandenbergue Machado, divulgada com exclusividade pela repórter Camila Bonfim, da TV Globo, nesta quinta, 26, deixou Delcídio indignado. E com a certeza de que sua cassação foi ‘manipulada’ pessoalmente por Renan. “Ele (Renan) tinha medo da minha delação, ele tinha comprometimento com o Palácio do Planalto.”

Delcídio fechou acordo de colaboração com a Procuradoria-Geral da República em fevereiro. Dias depois, foi colocado em liberdade – ele havia sido preso em 25 de novembro de 2015 por suspeita de tramar contra a Operação Lava Jato.

“Esse Vandenbergue é um cara que eu conheço há muito tempo”, afirma Delcídio. “Ele é diretor da CBF, mas se criou sempre no PMDB. Começou como chefe de gabinete do Marco Maciel no Ministério da Educação (Governo Sarney) e depois fez carreira no PMDB, especificamente com o Renan.”

Delcídio relata que ‘tinha boas relações’ com Vandenbergue. “Mas achei estranho que ele ia ao meu gabinete aparentemente para prestar solidariedade, para me visitar e o caramba, mas agora percebo que ele ia a mando do Renan para sondar, para saber se eu ia mesmo fazer delação premiada. A conversa gravada entre eles mostra que estavam mal informados. Pelo que vi, a conversa foi no dia 24 de março. Eu já havia fechado o acordo antes de ser solto em fevereiro. Vandenbergue sempre frequentava o meu gabinete, sempre uma relação boa, amistosa, mas o interesse dele era efetivamente me monitorar. Não só a mim como a minha família. A mando do Renan.”

“Fomos perceber mais na frente um pouco que não era solidariedade do Vandenbergue, ele estava sendo mandado pelo Renan para me monitorar. Como eu tinha uma boa relação com o Vandenbergue me foi oferecido para minha defesa o filho dele, que é advogado. Ele se apresentou para advogar de graça para mim. Mas ele não é meu advogado.”

Na avaliação de Delcídio, o diálogo entre Renan e Vandenbergue revela a preocupação do presidente do Congresso em tirar seu mandato, o que de fato ocorreu no dia 10 maio por um placar devastador – 74 senadores votaram pela saída de Delcídio, nenhum colega a seu favor.

“Dentro dessas condições, como um Eduardo Cunha, ou seja, tendo todas as rédeas do processo para julgar alguém e usado os poderes que tem, ele (Renan) manipulou minha cassação”, protesta Delcídio. “O diálogo (com Vandenbergue) só confirma que Renan, o senhor dos anéis, deve ser afastado imediatamente. Não tem mais condições de comandar o Senado.”

Na avaliação do ex-senador, o áudio de Renan e Vandenbergue ‘caracteriza uma ação forte dele (Renan) de manipulação, igual à que o Eduardo Cunha promoveu no processo da Dilma. Ficou muito claro que Renan controla a situação. O cara está usurpando de um espaço que ele tem dentro do Senado, usando a presidência para fazer o que quer.”

Delcídio analisou um outro áudio, em que Renan chama de ‘mau caráter, mau caráter’ o procurador-geral da República, Rodrigo Janot. “Isso é muito grave, mostra mais uma vez como ele, Renan, é o senhor dos anéis. Ele manipula tudo. Fui cassado por livre arbítrio do senhor dos anéis. Queimou etapas do processo. Eu nunca vi, em treze anos de Senado, uma reunião da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) no próprio Plenário.”

Para o ex-petista, Renan “tem medo, claro’ de sua delação à Procuradoria-Geral da República. “Ele tinha compromissos com o Planalto, com senadores que se sentiam atingidos pela minha colaboração. Pensaram em me tirar o mais rápido possível e não deixar eu ir para o plenário. Não queriam que eu votasse o afastamento da Dilma. Essa fala dele no áudio demonstra nitidamente que ele tinha condições de manipular tudo. Esse áudio vai ser usado na minha defesa.”

“Se eu conheço um pouco o Sérgio Machado o que ele deve ter falado nos depoimentos da delação dele à Procuradoria é brincadeira. Dez anos de Transpetro é muita coisa. Na minha colaboração eu falei especificamente do Sérgio Machado na Transpetro e da proximidade dele com o Renan. Ele despachava com o Sérgio na residência oficial da Presidência do Senado. É muito grave esse cenário. É o cáos.”

Estadão

Polícia

Operação Saturação aborda 200 pessoas, captura foragidos e prende suspeitos na zona Norte de Natal‏

(DIVULGAÇÃO/SESED)

(DIVULGAÇÃO/SESED)

Cerca de 200 pessoas foram revistadas durante operação policial realizada na noite desta quinta-feira (26), na zona Norte de Natal. Durante a ação dois foragidos da Justiça foram capturados e outros dois homens, detidos por estarem portando arma de fogo.

Em Igapó, os policiais realizavam patrulhamento tático quando se deparam com dois homens identificados por Bruno Araújo da Costa, de 23 anos e Thalles Bruno do Nascimento, de 19 anos, em atitude suspeita. Ao perceberem a presença policial, a dupla tentou se evadir mas foi rapidamente detida. Com eles a PM encontrou um revólver calibre 38 com quatro munições. Ambos foram conduzidos à Delegacia de Polícia Civil para melhor apuração dos fatos e demais providências.

No Bairro Lagoa Azul, os policiais localizaram e capturaram Uelsio Jordão Alcântara Abreu, de 32 anos. Além de estar foragido da Justiça, ele é suspeito de comercializar drogas naquela região. O infrator foi conduzido à Delegacia de Polícia Civil de onde será encaminhado ao sistema prisional.

Um terceiro homem, também foragido da Justiça, foi capturado durante uma barreira na zona Norte visando garantir a segurança dos profissionais e usuários do transporte público na região. O infrator, que estava no interior de um ônibus da linha 64, demonstrou nervosismo ao constatar a presença policial, sendo abordado e constatado o mandado de prisão em aberto em seu desfavor. Ele foi conduzido à Delegacia de Plantão da zona Norte de Natal.

No total, 106 veículos foram abordados e revistados na operação do 4º BPM que ocorreu simultaneamente nas localidades de Santa Catarina, Alto da Torre, Sarney, Parque das Dunas, Jardim Brasil, Brasil Novo, Redinha Velha e Nova e Santa Rita.