Últimas do FM

Cidades Economia Geral Governo Internacional Internet Jurídico Mundo Política Segurança senado federal Social

Dilma sugere que Mercosul e Unasul avaliem processo de impeachment

Imagem: Reprodução

Imagem: Reprodução

A presidenta Dilma Rousseff sugeriu que o Mercado Comum do Sul (Mercosul) e a União dos Países Sul-Americanos (Unasul) avaliem o processo de impeachment contra ela no Congresso Nacional, que classifica como “golpe”, durante entrevista coletiva nos Estados Unidos, hoje (22), onde discursou na Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU), em Nova York, na cerimônia de assinatura do Acordo do Clima de Paris.

A presidenta brasileiro se disse vítima e injustiçada com o processo, que vai se esforçar “muito” para convencer os senadores de que não cometeu crime de responsabilidade e que “dizer que não é golpe é tapar o sol com a peneira”.
Ao ser indagada pelos jornalistas sobre a repercussão internacional que o tema está provocando, Dilma contou que recebeu solidariedade de alguns presidentes que lhe desejaram “força”. Segundo ela, “Outros disseram: ‘Solidariedade, é difícil. Segura, você é corajosa’. Eu vou dizer o seguinte. Está em curso no Brasil um golpe. Então, eu gostaria que o Mercosul e a Unasul olhassem esse processo”, disse. De acordo com ela, a “cláusula democrática”, prevista nas regras do Mercosul, prevê que seja feita uma avaliação dos casos.

Dilma afirmou que não acusa ninguém que propõe eleição direta de golpista, mas que deve aos seus 54 milhões de eleitores a defesa do seu mandato: “Não sou contra eleições de maneira alguma. Acho que uma coisa é eleição direta, com voto secreto das pessoas e o povo brasileiro participando. Mas acho que tem de ser me dado o direito de defender meu mandato. Não sou uma pessoa apegada a cargo. Agora, eu estou defendendo meu mandato”, disse.

 / AFP PHOTO / JEWEL SAMAD

/ AFP / Jewel Samad

Cidades Economia Emprego Geral Governo Internet Mundo Política Segurança Social Tecnologia Variedades

Anatel proíbe redução na velocidade de internet fixa por tempo indeterminado

Imagem: Reprodução

Imagem: Reprodução

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) proibiu, por tempo indeterminado, que as operadoras de telefonia reduzam a velocidade da internet banda larga fixa de seus clientes. A decisão, tomada pelo conselho da agência, foi anunciada hoje (22) à noite.

A proibição, que antes tinha prazo de 90 dias, agora vai vigorar até que a Anatel analise a questão da limitação de franquias de banda larga após reclamações de consumidores.

“Até a conclusão desse processo, sem prazo determinado, as prestadoras continuarão proibidas de reduzir a velocidade, suspender o serviço ou cobrar pelo tráfego excedente nos casos em que os consumidores utilizarem toda a franquia contratada, ainda que tais ações estejam previstas em contrato de adesão ou plano de serviço”, diz a agência reguladora em nota publicada em seu perfil em uma rede social. O site da agência registrou instabilidades ao longo do dia.

Na última segunda-feira (18), a Anatel havia proibido a limitação da franquia de internet banda larga fixa pelo prazo de 90 dias. No entanto, o presidente da agência, João Rezende, informou que a regulamentação do serviço no Brasil não impede esse modelo de negócio.

“A Anatel não proíbe esse modelo de negócios, que haja cobrança adicional tanto pela velocidade como pelos dados. Acreditamos que esse é um pilar importante do sistema, é importante que haja certas garantias para que não haja desestímulo aos investimentos, já que não podemos imaginar um serviço sempre ilimitado”, disse Rezende na ocasião.

Cidades Cultura Economia Emprego Geral Saúde Tecnologia Variedades

Pele de tilápia pode servir como curativo para queimaduras

Estudo já constatou efeitos positivos em animais, com menos infecções. Curativo biológico é feito de forma artesanal; ideia é levar para o SUS. (Imagem: Reprodução G1/PE)

Estudo já constatou efeitos positivos em animais, com menos infecções. Curativo biológico é feito de forma artesanal; ideia é levar para o SUS. (Imagem: Reprodução G1/PE)

Pesquisadores de Pernambuco, em pareceria com especialistas do Ceará e Goiás, está testando a pele de tilápia como curativo biológico para queimaduras. A pele já foi testada em 40 camundongos, que tiveram uma boa cicatrização e diminuíram as infecções. O próximo passo é testar em seres humanos.

A pesquisa é coordenada pelo cirurgião plástico Marcelo Borges, que tem 35 anos de experiência em tratamento de queimados. “Sem dúvida nenhuma, o tratamento com curativos à base de pele animal acelera o processo de cicatrização e contribui muito pra que esse processo seja menos doloroso”, avalia.

A tilápia é um peixe resistente às doenças, cresce rápido e é fácil de criar. Por isso, é muito consumida no país. A carne tem valor comercial, mas quase sempre vai para o lixo. Durante os estudos, os pesquisadores descobriram que a resistência da pele da pele do peixe é muito semelhante à da pele humana.

O curativo biológico é feito de forma artesanal e passa por processos de limpeza, descontaminação, resfriamento e preservação. Depois desses cuidados, pode ser usada durante dois anos.

A ideia é levar o tratamento para os pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) e substituir as antigas pomadas usadas há mais de 40 anos. “A prioridade é o SUS porque prevemos um baixo custo e a comercialização desta pele que vai resolver não só a questão social em queimaduras, como vai contribuir para o meio ambiente, retirando o material que hoje vai para o lixo e dando uma destinação muito mais nobre pra esse tipo de material”, explica o médico.

Cidades Geral Saúde Social Tecnologia Variedades

Estudo Inédito: Pesquisadores acham vírus da zika em soins e em macacos-prego

Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

Pela primeira vez, pesquisadores encontraram fora do continente africano, no Ceará, primatas infectados com o vírus da zika, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. A descoberta se deu no segundo semestre de 2015, quando pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), do Instituto Pasteur e da Secretaria de Saúde do Ceará (Sesa) realizavam expedição de pesquisa sobre a raiva em animais silvestres no interior do estado.

De acordo com os pesquisadores, a descoberta indica que, por ser capaz de contaminar outros hospedeiros além dos humanos, a doença se espalha com mais facilidade e, consequentemente, pode dificultar o controle. Além do vírus da zika, o mosquito Aedes aegypti é o vetor da dengue, febre amarela, chikungunya.

Quatro saguis – conhecidos como soins no Ceará – e três macacos-prego capturados nos municípios de Tabuleiro do Norte, Quixeré, São Benedito e Guaraciaba do Norte, apresentaram teste positivo para o vírus da zika pela técnica PCR em tempo real, que detecta a presença do vírus no organismo do animal. Na pesquisa foram capturados, no total, 15 soins e nove macacos-prego, todos eles em áreas com notificação de zika e ocorrência de microcefalia.

“Este é o primeiro relato de infecção pelo vírus zika em primatas neotropicais e indica a possibilidade de que estas espécies possam atuar como reservatórios do vírus, semelhante ao observado no ciclo silvestre da febre amarela no Brasil”, relata a bióloga Silvana Regina Favoretto, coordenadora do projeto “Raiva em silvestres terrestres da Região Nordeste do Brasil: epidemiologia molecular e detecção da resposta imune”.

Após passarem pelo exame, os macacos tiveram um microchip implantado e foram devolvidos ao hábitat natural Os animais testados têm hábitos domésticos ou vivem próximos aos humanos. Em maio, os pesquisadores realizarão exames em mais animais e tentarão recapturar alguns dos animais já testados para que eles passem por estudos mais detalhados