Últimas do FM

Internacional

Marinha argentina diz que submarino sofreu implosão antes de desaparecer

O MINISTÉRIO DA DEFESA E A MARINHA INFORMARAM NA MADRUGADA DESTE SÁBADO QUE, APÓS DOIS MESES DE RASTREAMENTO NO OCEANO, A COMPANHIA AMERICANA OCEAN INFINITY LOCALIZOU O SUBMARINO A 800 METROS DE PROFUNDIDADE E A CERCA DE 600 QUILÔMETROS DO LITORAL (ARGENTINA NAVY/AP)

O submarino argentino ARA San Juan, localizado no Oceano Atlântico, sofreu uma “implosão” quando a comunicação foi perdida, há um ano e um dia, e ficou alojado em uma depressão de 907 metros que fez com que não fosse localizado pelos radares, informou neste sábado a Marinha do país.

Em entrevista em Mar del Plata, onde o submarino tinha sua base e na qual estão reunidos os parentes dos 44 tripulantes, o chefe naval dessa cidade, Gabriel Attis, ressaltou que existem três imagens autorizadas pela Justiça a serem mostradas às famílias, tiradas durante a localização, da vela, da hélice e da seção de proa.

“O submarino sofreu uma implosão”, ressaltou Attis, que não se aventurou a afirmar se será possível retirar os restos do aparelho, como pedem os parentes dos tripulantes. “É preciso ver em que estado está o casco. Não acho conveniente neste momento me aventurar a dar uma resposta a respeito”, acrescentou.

O Ministério da Defesa e a Marinha informaram na madrugada deste sábado que, após dois meses de rastreamento no oceano, a companhia americana Ocean Infinity localizou o submarino a 800 metros de profundidade e a cerca de 600 quilômetros do litoral.

Jurídico

Bolsonaro culpa sistema do TSE por falhas na prestação de contas

FORAM ENCONTRADAS 23 INCONSISTÊNCIAS NAS CONTAS ELEITORAIS DO PRESIDENTE ELEITO JAIR BOLSONARO. (FOTO: SERGIO LIMA)

A defesa do presidente eleito, Jair Bolsonaro, culpou nesta sexta-feira (16) o sistema do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) por falhas na prestação de contas da campanha. O posicionamento foi dado após técnicos do TSE apontarem inconsistências na prestação de contas da campanha de Bolsonaro.

No documento, de 50 páginas a defesa afirma que vai devolver o que for considerado irregular.

Os esclarecimentos foram enviados após o ministro do TSE Luís Roberto Barroso intimar, na última terça-feira (13), a campanha sobre 23 “inconsistências” na prestação de contas inicial e dar 3 dias para a defesa dar esclarecimentos. A campanha informou ter arrecadado R$ 4.377.640,36 e gastado R$ 2.812.442,38.

O documento é dividido em itens, em resposta a cada 1 dos tópicos questionados. O texto traz também o número de notas fiscais referente a despesas com a produção de conteúdo digital, que, segundo a auditoria, não constavam na da prestação de contas.

EMPRESA DE MARKETING DIGITAL

Em uma das observações, a Justiça diz que a empresa AM4 –responsável pelo depósito de R$ 3.544.611,79 nas contas da campanha– não tinha autorização para fazer arrecadação de doações na internet,

A defesa alega que os créditos na conta bancária da campanha não foram realizados pela AM4, mas sim por outra empresa, a Aixmobil, e que elas teriam 1 contrato com uma 3ª empresa, a Ingresso Total.

“Os créditos na conta bancária da campanha foram realizados pela Aixmobil, uma vez que ela era a arrecadadora responsável pelo arranjo de pagamento da plataforma Mais Que Voto. O contrato com a Aixmobil foi firmado diretamente pela AM4, que desenvolveu a plataforma Mais Que Voto em parceria com a Ingresso Total”, diz o documento.

Na manifestação, a defesa de Bolsonaro diz que R$ 95.000 oriundos de doações que não foram feitas pelo sistema coletivo serão devolvidos.

“Cumpre esclarecer que o candidato eleito decidiu aceitar apenas doações realizadas pelo sistema de financiamento coletivo, por intermédio da plataforma de arrecadação disponível no endereço: www.maisquevoto.com.br/jairbolsonaro”, escreveu a defesa.

O sócio da AM-4, o empresário Marcos Aurélio Carvalho, participou da equipe de transição do governo Bolsonaro por 2 dias. Ele renunciou ao cargo após 1 desconforto criado por entrevista concedida ao jornal O Globo. Na ocasião, Carvalho disse que iria cuidar da comunicação da equipe de transição e apresentou-se como marqueteiro digital da campanha.

SISTEMA DO TSE ‘DEMOROU A PROCESSAR OS DADOS’

Quanto ao atraso da prestação, os advogados Bolsonaro alegam que o sistema do TSE “demorou a processar os dados”.

“O atraso verificado decorreu da lentidão no processamento da importação das doações pelo SPCE, não tendo decorrido de culpa do candidato, em razão da quantidade significativa de dados a serem carregados pelo sistema”, escreveu a defesa.

“Não há que se falar, aqui, de inexistência do envio da informação. O que houve foi atraso no envio da informação, motivado por erro de sistema, que inviabilizou o cumprimento do prazo exíguo”, diz outro trecho.

Ao tribunal, a defesa sustentou ainda que a campanha de Bolsonaro não dependeu de grandes somas financeiras para ganhar a eleição.

O texto afirma que o presidente eleito dispensou os recursos do FEFC (Fundo Especial de Financiamento de Campanha), por discordar da sua criação, e que buscou baratear a campanha.

Segundo o documento, foi realizada uma busca por preços de serviços compatíveis ao do mercado privado. “Isso, somado ao uso de mecanismos gratuitos das redes sociais, como canal efetivo de comunicação com a sociedade, desde seu mandato, barateou de forma significativa o custo da campanha”.

“Enquanto Fernando Haddad e Manuela D’Ávila gastaram, nos 2 turnos, R$ 36.333.525, os peticionantes dispenderam apenas R$ 2.456.215 pelo mesmo período, sendo que os segundos não tinham uma previsão real orçamentária para planejar os gastos desde o início da campanha”, afirmou a defesa.

Ao final, a defesa pede à Justiça que aceite as justificativas apresentadas e emita parecer técnico pela aprovação das contas. Agora, o relator do caso terá que submeter o procedimento a julgamento no plenário TSE. Ainda não há data marcada para o tribunal analisar o caso.

Poder


Diversos

Hoje tem “Mercado das Pulgas de Natal” na Praça Cívica

COM PROGRAMAÇÃO VARIADA E ENTRADA GRATUITA, FEIRA COMEÇA ÀS 15H

Quer um programa leve, divertido e que gasta pouco?! Amanhã (17), a Praça Cívica se transforma em espaço para o “Mercado das Pulgas de Natal”, a partir das 15h, com entrada gratuita, atrações artísticas e programação para todos os gostos.

Feira de antiguidades, artesanato, sebo, brechós, colecionáveis, aluguel de patins, parque de diversão, exposição de carros antigos e espaço para andar de bicicleta e passear com os pets estão garantidos.

Agora, se o seu foco é exercitar-se, também tem. Através de aulas de ritmos. Mas se prefere tomar um cafezinho e bater papo, pode ir sem medo, que o Mercado disponibiliza de lanchonetes e os expositores estão cheios de histórias para contar. Ainda não é nada disso que busca para uma tarde de sábado? Que tal dar boas risadas com os palhaços Bisteca e Bochechinha, às 17h?! E as 19h tem a mistura forte de rock, rhythm’ and blues, latinidades, com a banda SangueBlues.

O Mercado das Pulgas de Natal conta com o patrocínio da Prefeitura do Natal, através da Lei Djalma Maranhão, da Unimed Natal, Uniodonto Rio Grande do Norte, Espacial Auto Peças. Apoio: InterTv; e realização da Natal Cultural.

Serviço:

Evento: Mercado das Pulgas de Natal

Local: Praça Cívica (Praça Pedro Velho – Petrópolis)

Horário: das 15h às 21h

Quando: Aos sábados 

Entrada gratuita

Anote as próximas datas e programe-se!

Ano 2018:

15/12

Ano 2019:

12/01

16/02

23/03

Horário: das 15h às 21h.


Jurídico

Prazo para prestação de contas do segundo turno se encerra amanhã (17)

Prazo para prestação de contas do segundo turno se encerra amanhã (17); TRE-RN já iniciou a análise das prestações do primeiro turno

O TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO NORTE (TRE-RN) REGISTROU O RECEBIMENTO DE 400 PRESTAÇÕES

Os candidatos que concorreram ao segundo turno das Eleições 2018, seus partidos ou partidos coligados, e aqueles candidatos e partidos que realizaram doações ou gastos no período entre o fim do primeiro e início do segundo turno têm até amanhã (17) para prestar contas. No dia 06 de novembro, prazo final da prestação de contas do primeiro turno, o Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRE-RN) registrou o recebimento de 400 prestações. A partir disso, a Comissão de Prestação de Contas da Justiça Eleitoral iniciou o trabalho de análise dessas contas.

A Comissão é composta por 33 servidores de diversos setores do TRE-RN, atuando de domingo a domingo, durante 10 horas diárias, numa força tarefa de verificação das contas recebidas. As atividades são divididas em três fases: diligência, parecer técnico, análise do Ministério Público e análise do relator para julgamento. Nesse primeiro momento, apenas as contas dos 35 candidatos eleitos e suplentes serão analisadas, em virtude do prazo para o encerramento desses julgamentos, que é 15 de dezembro de 2018, para que a diplomação dos eleitos ocorra no dia 19 de dezembro.

As demais contas podem ser julgadas até novembro de 2019, de modo que os candidatos e partidos que não venceram a disputa e que ainda estão inadimplentes podem realizar a prestação nesse período para evitar o impedimento de obter a certidão de quitação eleitoral (para candidatos) e a proibição de receber o fundo partidário, além da suspensão do registro (anotação) partidária (para partidos). De acordo com a última atualização da Secretaria Judiciária, até o momento há um quantitativo de 109 inadimplentes em relação ao primeiro turno: 2 governadores, 3 senadores, 28 deputadores federais, 62 deputados estaduais e 14 partidos não prestaram contas à Justiça Eleitoral.