Educação

EDITORIAL: Escola Estadual com mais de 50 anos de TRADIÇÃO utiliza alunos para promover campanha LGBT

TRADIÇÃO, “Via pela qual os fatos ou os dogmas são transmitidos de geração em geração sem mais prova autêntica da sua veracidade que essa transmissão. O fato ou o dogma assim transmitido. Transmissão de uma notícia, boato, rumor. Símbolo, memória, recordação, uso, hábito. Entrega, ato pelo qual se entrega alguma coisa a alguém. Transmissão, transferência de bens ou de direitos”, Dicionário de Português Aurélio.

A Escola Estadual Winston Churchill é um dos mais tradicionais colégios públicos de Natal e do Rio Grande do Norte. Está localizada na Avenida Barão do Rio Branco, no bairro Cidade Alta. A Escola foi construída no terreno que pertencia ao antigo Quartel de Linha (21º Batalhão de Caçadores). No ano de 1965 durante o governo de Aluísio Alves, foi lançado a proposta a ideia da criação da escola, sendo fruto de um acordo entre o governo do estado e os ingleses que enviaram recursos para a sua construção. O prédio foi inaugurado em 1968, no então governo do Monsenhor Walfredo Gurgel.

Pois bem, a Escola Estadual, mantida por nós – por intermédio dos nossos tributos -, aquela mesma escola TRADICIONAL, conhecida pela moral, bons costumes, das histórias que a vovó contava ao relembrar seus tempos estudantis; nesta semana abandonou o tom TRADICIONALISTA para apresentar-se LIBERTINA. Isso mesmo, LIBERTINA. A escola de ensino público realizou uma campanha em apologia ao “Orgulho LGBT” através de post em sua rede social. A postagem, que inclui fotos de alunos adolescentes em cenas íntimas, acompanha a seguinte descrição:

” É o mês do orgulho lgbt. Pride month. 
Orgulhem-se 
Vivam, 
Progridam. 
Sejam, 
Sintam, 
Revivam. 
Invente-se e 
reinvente-se. 
É o seu mês para mostrar ao mundo como se deve viver. 
Eu tô aqui e a nossa luta nao vai retroceder. 
Ame, 
Ame-se e 
Permita-se ser. 
Eu te amo e luto por e com você. “

Vamos refletir

Uma escola, ambiente no qual entregamos nossos filhos para receberem EDUCAÇÃO instrutiva, para construir o pensamento didáticos, conhecerem as ciências humanas, exatas, da natureza…

Uma escola que carrega o nome de um dos políticos mais famosos da história, conhecido por suas convicções de honra e bom senso. Orador e estadista notável, ele também foi oficial no Exército Britânico, historiador, escritor e artista. Ele é o único primeiro-ministro britânico a ter recebido o Prêmio Nobel de Literatura e a cidadania honorária dos Estados Unidos.

Como Churchill veria seu nome associado a plena falta de senso educacional tradicionalista? “Entre a desonra e a guerra, eles escolheram a desonra, e terão a guerra.” (CHURCHILL), talvez dissesse.

E quanto às lembranças dos primeiros alunos educados com moral regada aos bons costumes?

Não cabe, de forma alguma, uma escola assumir o papel de “liderar” campanhas em apologia à “desonra”. Muito menos divulgar imagens de adolescentes em redes sociais trocando beijos e carícias, não apenas pelo fato de se tratar de pessoas do mesmo sexo em cenas íntimas, a exposição de menores nesse contexto é completamente inaceitável. Fere as doutrinas familiares, o censo comum da educação tradicional, sem falar na mãe que luta contra o posicionamento sexual de alguém que sequer entende sobre si, ainda não possui uma mente formada. E quanto aos pais dos alunos expostos? Como enxergam a situação, será que estão cientes da situação? Conhecem a superexposição de seus filhos nas redes sociais? O que passa em suas mentes, como está seus corações?

Procurada pela Redação do Blog do FM, a assessoria de comunicação da Secretaria de Educação pediu que fosse encaminhado email para a secretaria posicionar-se sobre a questão. O secretário de educação não atendeu as ligações.


10 Comentários

  • Reportagem probre é sem profundidade. O ‘blogueiro’ buscou entrar em contato com a escola para averiguar a pertinência de suas críticas fundamentadas apenas em seus ideologismos? O que o próprio se põe a criticar… faça me o favor. A começar pelo nome da página que não é o nome oficial da escola, a escola em si não tem, oficialmente, este tipo de redes sociais, sendo isso uma promoção dos próprios estudantes no gozo de suas liberdades. Acharam se no direito de fazer uma rede social deles enquanto estudantes, sem o controle da escola até por que não é obrigação da escola manter redes sociais.

    Busque averiguar os fatos antes de fazer acusações.

  • Que vergonha um blogueiro como você que deveria prezar pela veracidade dos fatos e exposição de forma idônea e neutra fazer uma postagem desta que mais parece uma crítica sem fundamento na qualidade de que os professores estão de Acordo. Peço que refaça a postagem e entre em contato com os professores da instituição primeiro.

  • meu Deus isso é muita falta de não ter o que fazer viu Por que uma pessoa não vai ser gay ou lésbica por ver um cartaz LGBT ou até mesmo Ver um casal de gay ou lésbica na rua se beijando que vai “Se influenciar” a ser tbm , se for assim vocês devem ter assistido muito Globo Rural para ser tão burro assim .

  • Chega a ser RIDICULO tal texto, pois aponta não só a mente retrograda de quem o escreveu, ao tentar usar de um ato de defesa a um grupo minoritário e já extremamente hostilizado pela sociedade como forma de denegrir a imagem de uma instituição já consagrada em Natal (algo que o próprio autor admite), como também sua hipocrisia, já que a conta onde foi postado o ato é administrado única e exclusivamente pelos estudantes sem gerenciamento ou influência da instituição, o que prova que o autor do texto não passa de um ser leviano, preconceito e sem compromisso algum com a verdade. Antes de querer brandar aos quatro ventos a moral e bons costumes, primeiro se comprometa com a verdade e não com o charlatanismo.

Deixe um Comentário