Internacional

Na Turquia, governo diz que líderes do golpe foram presos e a situação “está largamente sob controle”.

tuquia 01

POPULAÇÃO COMEMORA FIM DA TENTATIVA DE GOLPE, QUE TERMINOU COM A PRISÃO DAS LIDERANÇAS REBELDES

O ministro do interior da Turquia, Efkan Ala, afirmou, ontem,  por volta das 22 horas, que a tentativa de golpe de estado no país foi repelida pelas forças leais ao presidente Recep Tayyip e ao primeiro-ministro Binali Yildirim. Segundo Ala, os líderes da revolta foram presos e a situação “está largamente sob controle”. A informação é da Agência Ansa Brasil.

A tentativa de golpe  deixou pelo menos 194 mortos e mais de 1.500 militares detidos pelas forças leais ao governo do presidente Recep Tayyip Erdogan, de acordo com o chefe interino do Estado-Maior da Turquia, Ümit Dünar.

Dünar detalhou neste sábado (16) que dos 194 mortos, 104 eram golpistas, enquanto 1.536 militares foram presos, incluindo dois generais.

“A tentativa de golpe de Estado foi rejeitada desde o início pelo comando (do Exército). A solidariedade histórica na Turquia fez fracassar a tentativa de golpe”, afirmou.

Dünar, nomeado hoje como chefe interino do Estado-Maior após o titular Hulusi Akar ter sido capturado pelos militares que apoiavam o golpe, acrescentou que outras 90 pessoas, entre elas dois militares, 41 policiais e 47 civis, morreram nos confrontos.

Akar foi libertado e já está de volta ao serviço, acrescentou Dünar durante entrevista coletiva transmitida pelas cadeias de notícias locais. “Muitos comandantes foram feitos reféns no Estado-Maior no início (do golpe) e levados para lugares desconhecidos”, relatou o militar sobre os acontecimentos dramáticos das últimas horas.

“O presidente, o primeiro-ministro e os ministros do governo, todos se uniram ao Exército e impediram o golpe. A nação foi para as ruas e enfrentou os tanques”, acrescentou Dünar.

“Infelizmente a Turquia testemunhou um grupo que disparou contra seu parlamento, contra seus cidadãos. Mas a nação não deve se preocupar: a Turquia terminou com a época dos golpes”, concluiu o chefe do Estado-Maior interino.

Com informações do UOL/Agência Brasil


Deixe um Comentário