Polícia

Morte de Marielle completa 30 dias. Veja o pouco que se sabe até agora

MARIELLE FRANCO, 38 ANOS: MORTA COM VÁRIOS TIROS NO RIO DE JANEIRO. (FOTO: REPRODUÇÃO)

“O mandato de uma mulher negra, favelada, periférica, precisa estar pautado junto aos movimentos sociais, junto à sociedade civil organizada, junto a quem está fazendo algo para nos fortalecer naquele local. E a gente objetivamente não se reconhece, não se encontra, não se vê. A ligação é o que eles apresentam como nosso perfil. Então, é preciso ter a nossa casa, ter o nosso lugar, ter o nosso período, ter o nosso lugar de resistência. Porque a gente sabe que a gente tá ativa, tá lutando e tá resistindo o tempo todo, mas com alguns períodos onde a gente se fortalece na luta.”

Nas imagens de um ao vivo transmitido pelo Facebook é possível ver Marielle Franco sorrindo e fazendo gestos enquanto pede às mulheres da roda para que o evento “Jovens Negras Movendo Estruturas” fosse um bate-papo descontraído, “pelas dores e pela resistência das mulheres negras”. Era 14 de março quando, por mais de uma hora e meia, em uma sala na Rua dos Inválidos, na Lapa, no Rio de Janeiro, o grupo de mulheres seguiu a proposta da vereadora e debateu questões importantes para o reconhecimento da mulher negra na sociedade brasileira. No mesmo dia, poucas horas depois do encontro, Marielle foi executada. Há exatos 30 dias. Desde então, pouco se sabe sobre o que, de fato, motivou a morte da vereadora carioca, de 38 anos. Muito menos quem são os assassinos, dela e de seu motorista, Anderson Pedro M. Gomes, 39.

“Pra sair daqui com o corpo, com o coração e com a mente fortalecida para as batalhas que virão”, concluiu Marielle Franco ao fim da transmissão naquele dia. Momentos depois, no entanto, o rosto, as ideias, o ativismo e a vida da vereadora foram expostos na mídia e na internet em publicações sobre o brutal assassinato dela e de Anderson.

Até hoje ninguém foi preso ou apontado pelos investigadores como suspeito pela dupla execução. As apurações, segundo a Polícia Civil do Rio de Janeiro, com apoio da Polícia Federal (PF), seguem em sigilo e com muita pressão popular por avanços, mas sem um ponto final.

No dia seguinte aos assassinatos, o Ministério Público Federal (MPF) instaurou um procedimento instrutório que podia resultar na federalização da investigação. A iniciativa de propor uma federalização da persecução penal partiu da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, um aviso de que os órgãos federais estão acompanhando de perto o crime ainda sem solução.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA) tem cobrado das autoridades brasileiras a apuração dos assassinatos. Uma audiência está marcada para 9 de maio na República Dominicana, onde comissários da organização devem questionar representantes do estado sobre o crime e sobre a situação da intervenção militar no Rio de Janeiro.

A Anistia Internacional ressaltou que as autoridades brasileiras devem priorizar a resolução dos assassinatos e levar todos os responsáveis à Justiça. “A sociedade precisa saber quem matou Marielle e por quê. A cada dia que passa e este caso permanece sem respostas, o risco e ameaças em torno dos defensores e defensoras de direitos humanos aumentam”, disse Jurema Werneck, diretora-executiva da Anistia Internacional Brasil.

 

Vinte e três dias após o atentado contra Marielle, outro assassinato aconteceu no Rio e também continua sem explicação. O líder comunitário Carlos Alexandre Pereira Maria, 37, foi morto a tiros na noite de domingo (8/4), na Zona Oeste da capital fluminense. Ele era colaborador do vereador Marcello Siciliano (PHS), ouvido no inquérito que apura as mortes da vereadora do PsOL e do motorista Anderson Gomes.

No caso da morte de Carlos Alexandre, uma das linhas de investigação é a de que ele teria sido morto por, supostamente, ter ligação com uma milícia da região. A polícia também não descarta que o crime tenha conexão com o trabalho do líder comunitário desenvolvido junto ao parlamentar. Carlos era responsável por ouvir os moradores, identificar problemas na comunidade e levar as informações até o gabinete na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) para que o vereador pudesse intervir em melhorias para a região.

Nas redes sociais e na mídia, os pedidos por informações que ajudem a elucidar o crime são sempre veiculados cada vez que uma notícia sobre Marielle Franco é veiculada. As informações podem ser passadas para o Disque Denúncia, através dos seguintes canais: Whatsapp ou Telegram do Portal dos Procurados: (21) 98849-6099, para a Central de Atendimento: (21) 2253-1177, pelo Facebook ou pelo aplicativo Disque Denúncia RJ. O anonimato é garantido.

Investigação a passos lentos

Na terça-feira (10/4), policiais civis e federais que investigam o caso divulgaram a informação de que conseguiram colher digitais parciais do assassino ou da pessoa responsável por municiar a pistola 9mm usada no crime. As digitais estavam em cápsulas achadas por peritos na esquina das ruas João Paulo I e Joaquim Palhares, no Estácio, bairro onde as vítimas foram atacadas. A princípio, segundo informou o jornal O Globo, os fragmentos não seriam suficientes para uma comparação com impressões digitais armazenadas em bancos de dados da polícia, mas poderiam ser confrontadas com as de eventuais suspeitos.

Correio Braziliense


Deixe um Comentário