Geral

Morre o jornalista Alberto Dines

JORNALISTA ESTAVA INTERNADO NO HOSPITAL ALBERT EINSTEIN, EM SÃO PAULO. (FOTO: LEO AVERSA)

Um dos grandes nomes do jornalismo brasileiro, Alberto Dines morreu aos 86 anos. Segundo a mulher do jornalista, Norma Couri, ele teve a morte confirmada na manhã desta terça-feira. Dines estava internado há dez dias no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Ele deixa mulher e quatro filhos.

O jornalista pegou uma gripe da mulher, que se agravou e virou pneumonia. Dines sofreu com a deficiência respiratória e não resistiu nesta terça-feira. O hospital informou que o paciente morreu às 7h15m. O velório deve ocorrer em São Paulo, cidade em que o profissional vivia.

Dines iniciou sua carreira como crítico de cinema da revista “A Cena Muda”, em 1952, segundo o seu perfil no Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC-FGV). No ano seguinte, assumiu o posto de repórter na revista “Visão” e cobriu arte, teatro e cinema. Na sequência, lançou-se também pelo jornalismo político. Em 1957, se uniu à produção da revista “Manchete”, na qual atuou como assistente de direção e secretário de redação. Demitiu-se da publicação após desentendimentos com o proprietário, Adolpho Bloch.

Em 1959, começou a dirigir o segundo caderno do jornal “Última Hora”. No ano seguinte, assumiu a chefia da revista “Fatos e Fotos” e colaborou com o jornal “Tribuna da Imprensa”, pertencente ao “Jornal do Brasil”. Pouco depois foi convidado para dirigir o “Diário da Noite”, de Assis Chateaubriand.

A partir de 1962, Dines foi editor-chefe do “Jornal do Brasil”, no qual se destacou até 1973. Depois de passagem pelos Estados Unidos, assumiu a chefia da sucursal da “Folha de S. Paulo”, do qual saiu em 1980 para colaborar no semanário “O Pasquim”. Foi ainda secretário editorial e diretor-editorial-adjunto da Editora Abril.

Dines também é autor da biografia “Morte no Paraíso – A Tragédia de Stefan Zweig” dedicada à memória do escritor austríaco e publicada pela primeira vez em 1981.

Em 2012, quando Alberto Dines completou 80 anos, a equipe do programa Observatório da Imprensa fez um vídeo em homenagem ao jornalista. Um compilação das várias reportagens e países por onde Dines passou. Sempre com olhar crítico e analítico sobre o papel da imprensa, o jornalista falou sobre as coberturas de grandes temas. Em um dos trechos, Dines aparece na Biblioteca Nacional para falar da cobertura que imprensa fez da Segunda Guerra e do nazismo.

Entre os entrevistados do vídeo estão o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, Gilberto Gil, Ferreira Gullar e também Roberto D’Ávila, Fernanda Montenegro.

Foi professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio (PUC-Rio) de 1963 a 1966. Convidado como paraninfo de uma turma da instituição logo após a edição do AI-5, durante o regime militar, o jornalista criticou a censura e acabou preso e submetido a inquérito. Dines também criou o Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo da Unicamp, em Campinas, e recebeu o título de notório saber em história e jornalismo pela USP. Coordenadora de produção do Observatório da Imprensa de 1998 a 2016, quando o programa liderado por Dines parou de passar na televisão, Zezé Sack diz que o jornalista deixa uma lacuna no jornalismo brasileiro.

— Foi uma grande honra trabalhar com Alberto Dines, uma escola. Aprendi mais com ele no programa do que na faculdade. Todo esse período foi muito intenso. Ele era muito respeitado e não falava por falar. Falava sempre com argumento, justificativa. Acho que vai deixar muita saudade e uma lacuna no jornalismo brasileiro — destacou Zezé.

O Globo


Deixe um Comentário