Geral

Janot quase pediu sua própria prisão preventiva, diz Gilmar Mendes

O ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), voltou a criticar nesta sexta-feira (15) o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao compará-lo ao médico Simão Bacamarte, de “O Alienista”, clássico do escritor Machado de Assis. Na história o médico resolve internar a si próprio em um hospício.

“Acredito que a gestão do procurador Rodrigo Janot na Procuradoria-Geral da República foi sem dúvida alguma a mais infeliz, a mais desastrosa. Faltou institucionalidade, houve abuso de poder, houve tentativa de transformar a Procuradoria em palanque político. O procurador-geral quase que chegou à situação tal qual o personagem principal do livro ‘O Alienista’. Ao final de seu mandato, quase que o procurador-geral pediu sua própria prisão preventiva”, disse Gilmar em entrevista coletiva em Foz do Iguaçú (PR). Ele esteve na cidade paranaense para a abertura da reunião de autoridades eleitorais do Mercosul.

O texto mencionado pelo ministro do STF narra a história de um médico psiquiatra vaidoso que, ao retornar à sua cidade natal, constrói um manicômio e passa a internar praticamente todos os moradores da localidade. Ao final, o médico percebe-se errado em suas teorias e decide liberar todos seus pacientes para, em seguida, internar a si próprio, sozinho, dentro de um hospício.

Gilmar justificou suas críticas ao comentar o episódio envolvendo o ex-procurador Marcello Miller. “Eu não tenho conhecimento na história da Procuradoria-Geral da República sobre episódios de corrupção da dimensão que observamos no mandato do Janot. Até então, este era um órgão praticamente imune a esse mal. Aqui ou acolá via-se alguma história isolada, mas agora assistimos escândalos de forma centralizada, no núcleo de combate à corrupção, dentro do gabinete do procurador-geral. E não há o que ele dizer que não tem responsabilidade. A responsabilidade sobre este caso é dele. Porque ele é o chefe da instituição”, disse.

LITERATURA

Nessa quinta (14), instantes antes da última sessão plenária do STF com Janot na condição de chefe da Procuradoria, o ministro disse: “Eu diria em relação ao procurador-geral Janot uma frase de Bocage: ‘Que saiba morrer quem viver não soube’”, afirmou, citando o poeta português Manuel Du Bocage (1765-1805).

Janot devolveu a provocação, também nesta quinta, depois de falar sobre os ataques que sofreu: “Mas tudo isso já encontra-se no passado. Os mortos, então, deixai-os a seus próprios cuidados”.

Ao passar pelos corredores do evento em Foz do Iguaçu na manhã desta sexta, Gilmar demonstrava descontração com o episódio passado e sorria ao comentar sua repercussão em conversas com assessores e magistrados que também participavam do encontro.

À Folha disse de sua expectativa em torno da posse da nova procuradora-geral, Raquel Dodge. “A grande missão da procuradora Raquel Dodge é praticamente reconstruir a Procuradoria. Pelo menos reconstruir a sua cúpula. Ela tem um grande desafio pela frente.”

O mandato de Janot termina oficialmente no domingo (17). Já na segunda-feira (18) Raquel Dodge passa a ser a nova ocupante do posto.

Fonte: Folha de S.Paulo


Deixe um Comentário