Geral

Wada pede banimento da Rússia da Rio-2016 após relatório sobre doping

RICHARD MCLAREN, CHEFE DA COMISSÃO INDEPENDENTE DA WADA, DIVULGOU NESTA SEGUNDA-FEIRA RELATÓRIO COM GRAVES ACUSAÇÕES AO GOVERNO DA RÚSSIA SOBRE DOPING – PETER POWER / REUTERS

O relatório da comissão independente da Agência Mundial Antidoping (Wada), divulgado nesta segunda-feira, já começa a sinalizar sérias repercussões para todo o esporte da Rússia. Após a confirmação, no documento, de que o governo russo teve participação ativa no encobrimento de casos de doping nos Jogos de Inverno de Sochi-2014, o comitê executivo da Wada solicitou ao Comitê Olímpico Internacional (COI) que todos os atletas da Rússia sejam proibidos de competir na Olimpíada e na Paralimpíada de 2016.

O comitê executivo da Wada recomenda também que os governantes russos sejam vetados em eventos esportivos internacionais, incluindo os Jogos Olímpicos do Rio. O relatório da comissão independente, chefiada pelo canadense Richard McLaren, aponta o ministro de Esportes russo Vitaly Mutko como um dos responsáveis por ordenar e supervisionar a destruição de amostras positivas para doping de atletas russos.

– Não apenas as evidências implicam o ministro de Esportes russo em organizar um sistema de dopagem (…), mas também mostram que houve participação ativa e assistência do serviço secreto federal e dos centros esportivos das equipes nacionais da Rússia. A Wada pede ao movimento esportivo para impor as medidas mais duras possíveis para proteger esportistas limpos na Rio-2016 – afirmou o presidente da Wada, Craig Reedie, em comunicado.

Para o comitê executivo da Wada, a presenção de inocência de atletas de todos os esportes da Rússia fica “seriamente questionável” devido à atuação decisiva do governo russo na organização de uma dopagem sistemática. A entidade tsolicita que as federações internacionais também se posicionem em relação aos atletas da Rússia. Em novembro de 2015, a Federação de Atletismo da Rússia (Araf) foi banida de competições internacionais pela Federação Internacional de Atletismo (IAAF), após as denúncias de doping na modalidade.

O Globo


Deixe um Comentário