Polícia

Ex-senador Luiz Estevão se entrega à Polícia no Distrio Federal

EX-SENADOR LUIZ ESTEVÃO DEIXA O IML DE BRASÍLIA APÓS PASSAR POR EXAMDE DE CORPO DE DELITO (FOTO: GUILHERME TIMÓTEO/TV GLOBO)

EX-SENADOR LUIZ ESTEVÃO DEIXA O IML DE BRASÍLIA APÓS PASSAR POR EXAME  DE CORPO DE DELITO (FOTO: GUILHERME TIMÓTEO/TV GLOBO)

O ex-senador já passou pelo exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal de Brasília, e aguarda a homologação do mandado de prisão para ser encaminhado ao Complexo Penitenciário da Papuda. Estevão cumprirá pena pela condenação, de 2006, imposta pela Justiça de São Paulo a 31 anos de prisão pelos crimes de corrupção ativa, estelionato, peculato, formação de quadrilha e uso de documento falso nas obras do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo. Dois dos crimes, quadrilha e uso de documento falso, podem estar prescritos e a pena final deve ser de 26 anos.

Chefe da Divisão de Comunicação da Polícia Civil, o delegado Paulo Henrique Almeida disse ao que Luiz Estevão chegou ao Departamento de Polícia Especializada às 6h, na companhia de três agentes. O político havia dito à reportagem que foi ao local junto com o advogado e que só se apresentou depois das 7h30. Ele disse “achar muito mais prático” buscar a unidade policial do que esperar que o buscassem em casa.

“Ele ligou para pedir para buscá-lo às 5h. Três policiais foram buscá-lo”, disse. “O delegado [Antônio Dimitrov] foi também, em um carro da polícia.”

Questionado nesta segunda à noite sobre a determinação da Justiça de que seja preso imediatamente, Estevão declarou que ele e a família já esperavam o início do cumprimento da pena em regime fechado. “Um dia ela viria. Podia ser hoje, daqui um mês ou amanhã.”

Perguntado se se arrependia dos desvios de verbas durante a construção do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo, ele disse que espera um dia contar sua versão do caso. “A história do TRT é muito mal contada. Espero ter tempo e saúde para um dia esclarecer”. Ele não quis dar detalhes sobre o assunto.

Estevão era senador pelo PMDB quando foi cassado, em 28 de junho de 2000, por 52 votos a 18. Dez senadores se abstiveram no dia. Quando os desvios apontados pelo Ministério Público ocorreram, o político era filiado ao PP.

Fonte: G1


Deixe um Comentário